Ataque a adversários marca horário eleitoral desta sexta

Numa estratégia típica de partido de oposição, Alckmin criticou a atual gestão na área de saúde

Equipe AE,

22 de agosto de 2008 | 21h42

Os principais candidatos à Prefeitura de São Paulo usaram o horário nobre na TV nesta sexta-feira, 22, para apresentar propostas e para atacar seus adversários. Numa estratégia típica de partido de oposição, Geraldo Alckmin (PSDB) criticou a atual gestão na área de saúde e apresentou sua proposta de integração da rede municipal. Já Gilberto Kassab (DEM) manteve a estratégia de comparação de sua administração com a de sua antecessora, Marta Suplicy (PT). Sem a presença do governador José Serra, que anunciou no último programa apoio formal ao candidato do seu partido, o programa do tucano começou com o drama de uma família que tem dificuldades para encontrar atendimento médico. O candidato aproveitou a oportunidade para lançar a rede SIM (Saúde Integrada Municipal), um programa que prevê a integração dos equipamentos de saúde pública. Alckmin prometeu colocar dentistas nas unidades de saúde, construir centros de especialidade e hospitais em Parelheiros, Brasilândia e zona leste, novas unidades que também foram prometidas por Kassab. No final de seu programa, o tucano ainda destacou sua disposição de firmar parceria com o Governo Lula. "Ele não é presidente do PT, é presidente do Brasil", disse. Usando imagens de Serra, Kassab ratificou o trabalho em conjunto com o governador. O candidato listou suas realizações na área da saúde e aproveitou a maior parte de seu tempo para apresentar depoimentos emocionados dos beneficiados de seus programas. Numa linguagem mais popular, a candidato finalizou seu programa com a frase: "Não é hora de ficar inventando moda."  Diferentemente do primeiro programa, a ex-prefeita Marta Suplicy não trouxe o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a TV. Desta vez, a candidata fez questão de lembrar as dificuldades financeiras enfrentadas no primeiro período de sua gestão e foi apresentada como a mulher que "mesmo com poucos recursos, superou as dificuldades". A campanha petista evidenciou também seu o lado "realizadora de grandes obras", listando os investimentos de sua gestão e os projetos bem sucedidos. "Provei que era possível fazer muito com pouco dinheiro", disse a candidata. Já a campanha de Paulo Maluf não só destacou suas obras como reforçou sua habilidade em gastar menos e fazer mais. Na propaganda, o ex-prefeito é retratado como o candidato que "emprega criteriosamente o dinheiro público".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.