Assessor morto da Assembleia do Rio 'recebia' salário

Mulher de funcionário falecido em fevereiro, que também era do gabinete do deputado Chiquinho da Mangueira, diz que agiu só

MARCELO GOMES / RIO , O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2012 | 03h01

A Corregedoria da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), o Ministério Público Estadual e a Polícia Civil investigam saques indevidos das contas bancárias de seis servidores já falecidos do Legislativo fluminense. Um dos mortos é Roberto Firmino, assessor parlamentar comissionado do gabinete do deputado estadual Chiquinho da Mangueira (PMDB). Ex-presidente da Estação Primeira de Mangueira de 1992 a 1995, Firmino morreu em fevereiro deste ano, mas seu salário de R$ 6.400 continuou sendo sacado até setembro.

Os outros cinco eram servidores estatutários que já estavam aposentados quando morreram, mas suas aposentadorias continuaram sendo retiradas. Pelas estimativas da Alerj, a fraude já resultou num prejuízo de R$ 5 milhões aos cofres públicos.

As irregularidades foram detectadas pela própria Casa, num levantamento preliminar feito em 50 das 833 aposentadorias ativas. O recadastramento completo será feito a partir de amanhã pelo Fundo Único de Previdência Social do Estado do Rio (RioPrevidência).

O corregedor da Alerj, Comte Bittencourt (PPS), ouviu ontem o depoimento de Chiquinho da Mangueira e de Jaciara de Souza Parente, que era a funcionária do gabinete do deputado responsável pelo controle de nomeações e exonerações de comissionados. Ela era cunhada do falecido.

Sua irmã, Jussara de Souza Parente, era companheira de Firmino havia mais de 18 anos e também trabalhava no gabinete de Chiquinho. As duas foram exoneradas após Jaciara admitir ao jornal Extra ter sacado o salário de Firmino para saldar compromissos financeiros.

Segundo o corregedor, Jaciara assumiu a culpa pelo episódio. "Ela contou que, após a morte de Firmino, continuou sacando o salário dele para pagar contas. Jaciara disse ainda que ninguém no gabinete sabia disso, e ela não repartia o dinheiro com nenhum outro funcionário", explicou Bittencourt. Já Chiquinho negou qualquer envolvimento no episódio.

Amanhã, o corregedor vai tomar os depoimentos de Jussara, da chefe de gabinete de Chiquinho e também do diretor de Recursos Humanos da Alerj.

Em nota enviada ao Estado, Chiquinho disse que é "de seu total interesse que todos os fatos sejam apurados" e vai ressarcir o erário pelo "prejuízo causado pelo erro administrativo" de sua ex-secretária.

A promotora Gláucia Santana, da Promotoria de Defesa da Cidadania, instaurou inquérito civil para apurar indícios de improbidade administrativa e desvio de dinheiro público. "Vamos ouvir os parentes de todos os mortos que tiveram seus vencimentos sacados", disse a promotora.

Na esfera criminal, o caso será investigado pela Delegacia Fazendária da Polícia Civil. "Inicialmente o caso foi registrado como estelionato, mas outros crimes, como falsidade ideológica, podem ser comprovados durante o inquérito", explicou o delegado Ângelo Ribeiro.

Um outro escândalo envolvendo desvio de recursos públicos atingiu a Alerj em 2008. Uma investigação da Polícia Civil descobriu um esquema de desvio do salário-educação pago a funcionários terceirizados da Casa. Quatro deputados e outras oito pessoas foram denunciadas à Justiça em maio de 2008, mas até agora não há data para julgamento do processo, que tramita no Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.