As manobras do foragido para evitar a extradição

O ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato pretende conservar em segredo, pelo tempo que for possível, o seu novo endereço na Itália. O objetivo é adiar ou dificultar um eventual pedido de extradição por parte do Brasil. Segundo apurou o Estado, Pizzolato foi informado de que, para pedir que seja extraditado, o País terá de indicar a sua localização.

ENVIADO ESPECIAL / ROMA , RIO, O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2013 | 02h21

O Tratado de Extradição Brasil-Itália diz, porém, que nenhum dos dois países será obrigado a entregar ao outro seus cidadãos, e o ex-dirigente tem dupla nacionalidade, brasileira e italiana. Isso, em tese, inviabiliza que Pizzolato seja extraditado.

Mesmo que o governo brasileiro decida pedir a extradição de Pizzolato, o trâmite pode se arrastar por meses. Primeiro, o processo do mensalão, com mais de 50 mil páginas, teria de ser traduzido para o italiano. O Supremo Tribunal Federal (STF) teria de encaminhar o material ao Itamaraty que, por sua vez, o enviaria para a embaixada do Brasil em Roma.

Na capital italiana, o pedido então seria enviado à chancelaria local que, por sua vez, repassaria para o Ministério da Justiça. Só quando isso ocorresse o mérito da questão começaria a ser avaliado pela Justiça italiana.

A disposição de conservar em sigilo o paradeiro de Pizzolato na Itália é desdobramento da estratégia que o ex-diretor do BB e algumas pessoas que lhe são próximas começaram a traçar há meses para enfrentar a condenação. A fuga de Pizzolato, há cerca de 50 dias, teve 20 horas de carro até Paraguai e traslado para Argentina, onde embarcou para o continente europeu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.