Após polêmica, cardeal faz debate sem Russomanno

Candidato havia condicionado sua participação em evento a um encontro particular com d. Odilo Scherer, que não quis recebê-lo

O Estado de S.Paulo

20 de setembro de 2012 | 03h06

A Arquidiocese de São Paulo realiza hoje debate entre candidatos a prefeito de São Paulo sem a presença do líder nas pesquisas de intenção de voto, Celso Russomanno (PRB). Após reunião ontem, a coordenação da campanha do candidato resolveu que Russomanno não deve comparecer ao evento com religiosos, já que o arcebispo metropolitano, d. Odilo Scherer, não aceitou recebê-lo antes do encontro.

A campanha de Russomanno havia colocado como condição para ele participar do debate uma reunião prévia entre o candidato e o cardeal, como forma de desfazer o que chamaram de "mal-entendido" com a Igreja Católica. Na semana passada, a Arquidiocese emitiu uma "nota de repúdio" contra o presidente do PRB e coordenador da campanha de Russomanno, Marcos Pereira, bispo licenciado da Igreja Universal, na qual o acusou de "fomentar a discórdia" em texto postado em seu blog, em 2011.

No texto, Pereira disse que a Igreja Católica teria participação na iniciativa do Ministério da Educação de distribuir material de combate à homofobia nas escolas, chamado de "kit gay" por entidades contrárias à medida. No domingo, foi a vez de d. Odilo assinar uma nota, chamada "Política, com ofensas à Igreja, não!". O texto foi lido nas missas, com novas críticas a Pereira.

"Recebemos uma resposta totalmente vazia, que nada colaborou para esclarecer devidamente os fatos e me deixou a impressão de que ele (d. Odilo) não tinha e não tem a menor vontade de ouvir o nosso lado", disse o presidente do Conselho Político da campanha de Russomanno, Campos Machado (PTB). O arcebispo enviou uma nota à campanha de Russomanno anteontem dizendo que, por motivos de agenda, só poderia marcar um encontro nos próximos dias.

Questionado ontem se iria ao debate, Russomanno disse que a decisão seria tomada pelo comando de sua campanha. "Minha equipe é que vai decidir se vou ou não", afirmou, depois de assinar uma carta de compromisso do Programa Cidades Sustentáveis, na zona oeste da capital.

O candidato desviou do assunto quando foi instado a falar sobre as consequências de sua ausência no debate. "Não tenho o que falar sobre isso. Agora vamos falar de São Paulo?" Russomanno é católico, mas os principais dirigentes do seu partido são ligados à Universal. O candidato tem dito que a campanha eleitoral não deve promover em São Paulo uma "guerra santa".

Nota. Rafael Alberto, secretário de comunicação da Arquidiocese e integrante do grupo organizador do colóquio, lamentou a decisão de Russomanno. "Os eleitores vão perder a oportunidade de conhecer as propostas do candidato." À noite, a Arquidiocese soltou nota na qual disse lamentar "profundamente" o fato de Russomanno "ter condicionado sua participação no colóquio à concessão de audiência prévia". "A solicitação da audiência para o candidato do PRB, para tratar de assunto específico, está sendo analisada e poderá ser atendida em momento oportuno", diz a nota.

Sem Russomanno, o encontro de hoje será realizado com os outros quatro candidatos: José Serra (PSDB), Fernando Haddad (PT), Gabriel Chalita (PMDB) e Soninha Francine (PPS). / JULIA DUAILIBI, RICARDO CHAPOLA E ROLDÃO ARRUDA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.