Após fechar com Serra, DEM cobra apoio tucano em capitais

Pedido foi feito durante formalização da aliança com ex-governador em São Paulo; proposta é unificar oposição a Dilma

BRUNO BOGHOSSIAN, ESTADÃO.COM.BR, DÉBORA ÁLVARES, O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2012 | 03h01

Ao formalizar seu apoio a José Serra (PSDB) na disputa pela Prefeitura de São Paulo, o DEM cobrou a união dos partidos em 14 capitais nas eleições municipais deste ano. "Há uma coisa mais importante que todas, que é a união das oposições. Onde o PSDB for mais forte, o Democratas vai apoiar. Onde o Democratas for mais forte, esperamos o apoio do PSDB", disse o presidente nacional do DEM, Agripino Maia, ontem na capital.

O DEM abriu mão de lançar uma candidatura própria na capital paulista para se aliar a Serra em troca do apoio do PSDB ao deputado ACM Neto, em Salvador. Hoje, a aliança na capital baiana se concretiza com a desistência do tucano Antônio Imbassahy de concorrer. Além de São Paulo e Salvador, o DEM pretende se unir ao PSDB em capitais como Curitiba, Aracaju, Natal, Teresina, Fortaleza, Recife, Belo Horizonte, Goiânia, Belém, Macapá, São Luís e Campo Grande.

DEM x PSD. O empenho do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, nas negociações foi considerado pelos tucanos como fundamental para atrair o DEM para a coligação de Serra, que já tem o PSD, do prefeito Gilberto Kassab (ex-DEM), que se formou a partir de quadros democratas. Na tentativa de convencer o DEM a se unir aos tucanos, Alckmin sempre se disse um dos poucos governadores que não ajudou a inflar o PSD em seu Estado. Guilherme Afif Domingos, ex-DEM, foi tratado com discrição pela cúpula democrata.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.