Divulgação
Divulgação

Após atentado, Goiás tem eleições tranquilas neste domingo

Foram 193 ocorrências, com 57 presos por boca de urna; em Itumbiara, onde candidato foi morto, clima era de 'ressaca'

Rubens Santos, especial para o Estado , O Estado de S.Paulo

02 de outubro de 2016 | 18h32

GOIÂNIA - Um total de 193 ocorrências foram registradas no Estado de Goiás, onde 57 pessoas foram presas sob acusação de crime de boca de urna neste domingo, 2. Três delas foram detidas em Goiânia, sendo duas por selfie na urna e outra por filmar o voto com o celular. "A eleição foi tranquila. Nenhuma ocorrência grave foi registrada", disse o coronel Divino Alves, no exercício da Secretaria de Segurança Pública de Goiás. 

Ao longo do dia, as ocorrências foram surgindo de maneira lenta. Na região do Entorno de Goiás com o Distrito Federal, três candidatos a vereador foram presos. Dois por agressão mútua, e o terceiro por distribuir santinhos. Em Anicuns, região Oeste do Estado, um homem foi preso quando tentava votar com documento de outro eleitor. 

'Ressaca'. No município de Itumbiara, Sul do Estado, onde ocorreu um atentado no meio da semana, em que o candidato Zé Gomes (PTB) foi morto a tiros, 200 homens do Exército participaram do esquema de segurança, somados a policiais militares, civis e federais. Ao longo do dia, não ocorreu registro de violência. 

Na cidade de Itumbiara, o clima das eleições também foi marcado por silêncio e tristeza. A presença de policiais foi ostensiva. O deputado estadual José Antonio da Silva Neto (PTB), que substituiu seu tio José Gomes no pleito, passou o dia vestido com a camisa do time do ex-candidato, o Itumbiara Esporte Clube. "Nesta eleição, não haverá comemoração", afirmou. "Vamos encontrar com lideranças e a população somente após a missa de sétimo dia, na terça-feira", avisou. 

O vice-governador de Goiás, José Elliton, atingido por dois tiros no abdômen durante o atentado, votou pela manhã em Goiânia. Não deu entrevistas, mas postou foto com a mão no abdômen e uma mensagem: "Agradeço a Deus por me permitir mais esse momento especial, oportunidade em que pude exercer plenamente a minha cidadania. Fiz questão de votar nessas eleições", escreveu. "Nos momentos mais difíceis, é que devemos perseverar e seguir em frente, com o espírito mais forte para enfrentar os desafios e lutar com muita determinação por uma cidade, um estado e um país melhores".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.