Apoiadores do PT e do PSB se enfrentam em PE

Em Sairé, passeata de candidata petista acabou em tumulto na porta de comitê de adversário; cerca de 60 pessoas foram atendidas em hospitais da região

ANGELA LACERDA / RECIFE, O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2012 | 10h14

Apoiadores de Elza Pedrosa, candidata do PT à prefeitura de Sairé, a 135 quilômetros do Recife, foram atingidos por produtos químicos, spray de pimenta, ovos e outras substâncias não identificadas durante tumulto na noite de anteontem. Cerca de 60 pessoas foram atendidas no hospital da cidade e em municípios vizinhos. Todos passam bem.

O tumulto ocorreu por volta das 20h30, quando uma caminhada organizada pela candidata petista passava pelo comitê do candidato do PSB, Fernando Pergentino, no centro de Sairé. Elza atribuiu o conflito à coligação adversária.

O episódio no agreste pernambucano ocorre em meio a um clima de acirramento da disputa entre PT e PSB na capital, onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o governador Eduardo Campos estão em lados opostos.

De acordo com o delegado de Sairé, Antonio Carlos Câmara, a caminhada reuniu cerca de mil pessoas e a Polícia Militar teria usado spray de pimenta para dispersar as correntes partidárias. "O pessoal da passeata se revoltou com o grupo que jogava ovos e partiu para cima", afirmou o delegado. "Como eram em maior número, a PM usou o spray para deter a confusão."

Com a campanha em clima acirrado, as coligações do PT e do PSB se acusam mutuamente de incitar a violência. Por determinação do juiz eleitoral, os candidatos não podem fazer atos públicos no mesmo dia. Quando uma coligação realiza seus eventos, a coligação adversária fecha seu comitê.

'Vítima'. O PSB divulgou nota repudiando o tumulto ocorrido durante a passeata e garante não ter participado da ação. "Foi briga entre eles", afirmou Bernardo Filho, integrante da coordenação jurídica da campanha de Pergentino. Ele destacou que o fato de ninguém do PSB ter sido ferido demonstra não ter havido confronto e acusou Elza Pedrosa de ter descumprido acordo eleitoral ao passar em frente ao comitê do PSB. Para a campanha de Pergentino, o PT "forja" situações para aparecer como vítima.

"Eles são muito violentos, já registramos várias queixas, inclusive de tentativa de incendiar nosso comitê", rebateu a candidata petista - que foi atendida com irritação dos olhos e asfixia.

A polícia investiga o caso. "Vamos ouvir as pessoas, aguardar os laudos médicos para saber que tipo de produtos foram usados e identificar suspeitos", disse o delegado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.