Aos 101 anos, idosa vai à urna em Olinda

Aos 101 anos, idosa vai à urna em Olinda

Elzita Santa Cruz, símbolo da luta pela resistência à ditadura militar, votou em Pernambuco

Angela Lacerda, O Estado de S. Paulo

26 de outubro de 2014 | 23h24

RECIFE - Já quase sem conseguir falar, Elzita Santa Cruz, de 101 anos, não abriu mão de ir à urna neste domingo, 26, e votar em seu candidato a presidente da República – o voto no Brasil é obrigatório entre os 18 e os 70 anos de idade. Vestida de vermelho, foi levada pelos filhos ao Colégio Imaculado Coração de Maria, no município metropolitano de Olinda, onde mora. “Dilma!”, disse ela, baixinho. 

Para facilitar sua entrada na seção de votação, usou uma cadeira de rodas, colocada à sua disposição pela escola.


Símbolo da luta pela resistência à ditadura militar, Elzita é incansável na busca por notícias do paradeiro de seu filho Fernando Augusto Santa Cruz, desaparecido em 1974, aos 26 anos, durante um encontro com militantes da Ação Popular Marxista-Leninista. Até hoje não se sabe o que aconteceu com Fernando.

De acordo com um de seus oito filhos vivos – ela teve dez –, o vereador Marcelo Santa Cruz, Elzita sempre valorizou o voto e o primeiro político a receber seu apoio foi Luiz Carlos Prestes, em 1945, no Rio.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesPernambuco

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.