André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Ao lado de Alckmin, Tiririca anuncia candidatura à reeleição e quer recorde de votos

Deputado ainda afirmou que sonha em disputar a Presidência da República: 'Vou meter a cara, você vai ver'

Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

04 Agosto 2018 | 12h13

BRASÍLIA - O deputado federal Tiririca (PR-SP) anunciou oficialmente neste sábado, 4, que desistiu de desistir da política e que será novamente candidato nas eleições 2018. "Tenho recebido muito apoio. Eu tinha falado que tinha desistido da política e o povo fala comigo: ‘cara, não desiste não. Você está fazendo um trabalho tão bacana, tão legal’. Aí, volto atrás. Estou declarando para todos vocês que vou me candidatar”, disse o parlamentar, em discurso na convenção nacional de seu partido.

Aos correligionários, Tiririca disse que quer ser o deputado "mais votado na história do País". “Quero ser o número um no país. Na história do país, sou o terceiro mais bem votado. Quero ser o primeiro. Quero passar o Enéas”, complementou.

O deputado explicou que decidiu tentar a reeleição após ouvir os "pedidos do povo". Francisco Everardo Oliveira Silva, que é mais conhecido pelo nome artístico, disse que, nos shows que ainda faz como humorista pelo Brasil, a plateia sempre pede para que ele não desista da política.

Tiririca ainda afirmou que sonha em disputar a Presidência da República. “Se Deus quiser (eu vou disputar). Vou meter a cara daqui quatro anos, você vai ver”, afirmou.

Ao lado do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), Tiririca anunciou que, neste ano, apoia o tucano na disputa presidencial. "Geraldo, você tem o meu apoio. O País está precisando de gente honesta como você".

 

Em seguida, Alckmin discursou no mesmo palco e respondeu ao deputado que, com o apoio do PR, conseguirá chegar ao Palácio do Planalto. "Tenho certeza de que a com força do PR, nós vamos chegar lá, Tiririca", disse o tucano. "Estou mais preparado (que em 2006) e agora estou do lado do campeão de votos Tiririca, para ver se passa um pouquinho para mim".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.