Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Antes de restrição eleitoral, Temer diz que sua equipe 'não desafina'

No lançamento do Plano Safra, presidente destacou investimentos e realizações de sua gestão

Julia Lindner e Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

04 Julho 2018 | 14h04

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer aproveitou o evento de lançamento do Plano Safra 2018/2019 do Banco do Brasil, nesta quarta-feira, 4, para elogiar sua equipe ministerial e tentar mostrar que o governo não está paralisado, nos últimos dias permitidos por lei. Há o entendimento de que, a partir do dia 7 de julho, agentes públicos cujos cargos estejam em disputa na eleição não podem autorizar publicidade institucional dos atos, programas, obras serviços e campanhas dos órgãos públicos.

++ Temer e FHC mostram preocupação com cenário eleitoral

++ Depois de aceno a Meirelles, coordenador de Alckmin se reúne com Temer

"Temos uma equipe muito entrosada. No geral, cada um quer cuidar de si, mas aqui cuidamos coletivamente do governo. Sou regente da orquestra e ela não desafina", discursou o presidente da República. Ele aproveitou sua fala também para investimentos do seu governo em programas sociais como Bolsa Família e Minha Casa, Minha Vida.

No evento desta quarta, o emedebista enalteceu e pediu aplausos para autoridades presentes como os ministros Eduardo Guardia (Fazenda) e Blairo Maggi (Agricultura) e o presidente do Banco do Brasil, Paulo Caffarelli. Ele elogiou até mesmo o deputado Bonifácio de Andrada (DEM-MG), que apresentou parecer pela rejeição de uma das denúncias contra Temer na Câmara, no ano passado.

+ Terceira denúncia seria 'querer pular fogueira com gasolina amarrada no cinto', diz Marun

O Plano Safra total foi apresentado por Temer e ministros no Palácio do Planalto há cerca de um mês. Nesta quarta-feira, o BB apresentou os números de sua participação no programa. Até o final da semana, o presidente deverá anunciar o Rota 2030, novo regime com benefícios para o setor automobilístico.

O presidente da República afirmou que, em seu governo, agronegócio progrediu "enormemente" e contribuiu para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), mas ponderou que a projeção de crescimento é "em torno de 2% por conta das dificuldades" pelas quais o governo passou.

+ Michel Temer e FHC mostram preocupação com cenário eleitoral

Temer disse também que as conquistas do governo, como a queda dos juros e da inflação, foram "fruto do diálogo aliado à responsabilidade fiscal e social". Além disso, disse que seu governo recuperou estatais como o Banco do Brasil, a Petrobras e a Eletrobras. "Todas aumentaram seu valor", afirmou.

Mais conteúdo sobre:
Michel Temereleições 2018

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.