ANJ questiona site brasileiro de 'El País'

A Associação Nacional de Jornais (ANJ) encarregou seu comitê jurídico de investigar se o grupo espanhol Prisa, dono do jornal El País, está transgredindo a Constituição brasileira ao criar uma empresa jornalística no Brasil e lançar um site em português.

Gabriel Manzano, O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2013 | 02h06

"Tudo indica que estão desrespeitando o art. 222 da Constituição, que exige que pelo menos 70% do capital total e votante sejam nacionais", afirma o diretor executivo da ANJ, Ricardo Pedreira. O site brasileiro de El País, inaugurado na terça-feira, é parte da expansão do grupo espanhol por vários países da América Latina. Segundo o presidente da Prisa, Juan Luís Cebrián, o site é "uma agência online e, nesse caso, não há restrições ao capital estrangeiro".

Pedreira diz que a ANJ vai esperar a avaliação jurídica. "Só depois decidiremos que iniciativa tomar." Mas ele lembra que, no art. 222 da Constituição, se determina que a propriedade de empresas jornalísticas no País "é privativa de brasileiros natos ou naturalizados há mais de dez anos". E o capital estrangeiro, em qualquer caso, não pode ser superior a 30% do total.

Há uma interpretação de que a lei brasileira só se refere à mídia impressa. "A gente considera que não", avisa Pedreira. "Um site estabelecido no Brasil, que visa a atuar no mercado como as demais empresas, captando publicidade no Brasil, é uma empresa jornalística, independentemente de sua plataforma ser papel ou digital."

Outro argumento é que bastaria a El País produzir seu site em português na Espanha. "Mas isso é outra coisa", diz Pedreira. "A ANJ de forma alguma se coloca contra. Essa característica libertária da internet é mais que bem-vinda. Defendemos que os brasileiros possam acessar todo tipo de informação, produzida em qualquer lugar do mundo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.