Infográfico/Estadão
Infográfico/Estadão

ANÁLISE: Pesquisa mostra que cenário eleitoral ainda está em aberto

A disputa pela segunda colocação está entre quatro candidatos: Ciro Gomes, Marina Silva, Fernando Haddad e Geraldo Alckmin

Márcia Cavallari Nunes*, O Estado de S.Paulo

12 Setembro 2018 | 21h44

O mais novo levantamento sobre as intenções de voto para presidente da República nas eleições 2018 realizado pelo Ibope Inteligência entre os dias 08 e 10 de setembro, após o ataque sofrido pelo candidato Jair Bolsonaro (PSL), mostra um crescimento de 4 pontos porcentuais nas suas intenções de voto (fica com 26%). Hoje, o número de eleitores que não mencionam nenhum candidato na pergunta espontânea é cerca de 40% maior do que era no mesmo período de 2014, o que mostra que o cenário ainda está totalmente em aberto.

Na medida em que as intenções de voto vão ficando mais firmes, há uma aproximação entre as duas medidas: a da pergunta espontânea e a da estimulada, na qual os candidatos são apresentados ao eleitor.

Entretanto, pode-se afirmar que já há uma consolidação das intenções de voto em Bolsonaro, uma vez que ele já é mencionado espontaneamente por 23% dos eleitores. Essa solidez das intenções de voto em Bolsonaro também é confirmada quando avalia-se que 54% dos seus eleitores afirmam que essa é uma decisão definitiva, e que não vão mais mudar. É o único que tem a maioria absoluta dos seus eleitores afirmando que esta é uma decisão definitiva. Para os demais candidatos, ainda há uma fluidez muito grande.

A disputa pela segunda colocação está entre quatro candidatos: Ciro Gomes, Marina Silva, Fernando Haddad e Geraldo Alckmin, todos eles empatados tecnicamente nas intenções de voto espontânea e estimulada, além de nos índices de rejeição e firmeza de voto – exceção feita a Haddad, que tem 40% dos seus eleitores dizendo que a sua escolha é definitiva.

Importante ressaltar que, em um eventual segundo turno de Jair Bolsonaro com qualquer um dos quatro candidatos que disputam a segunda colocação, também a situação é de empate técnico em todos os cenários avaliados. Entretanto, é sabido que a ocorrência de um segundo turno é uma nova eleição, na qual o próprio resultado do primeiro turno e a combinação de forças políticas exercem um efeito no posicionamento do eleitor. Portanto, uma avaliação de segundo turno só poderá ser realizada no próprio segundo turno da eleição, caso o mesmo ocorra.

As próximas pesquisas serão importantes para avaliar mais um evento desta campanha eleitoral: a oficialização de Haddad como candidato oficial do PT, uma vez que 38% do total de eleitores declaram que, com certeza, votariam ou poderiam votar em um candidato apoiado pelo ex-presidente Lula. Este índice chega a 52% dos eleitores do Nordeste.

* CEO DO IBOPE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.