André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Análise: Não há fórmula para agradar a eleitorado ‘barbosista’

Não há um roteiro tão óbvio para quem quiser cortejar os simpatizantes de Joaquim Barbosa

Daniel Bramatti, O Estado de S.Paulo

08 Maio 2018 | 22h10

SÃO PAULO - Candidatos interessados no espólio eleitoral do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Operação Lava Jato por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, procuram fazer acenos à esquerda com críticas à austeridade econômica e promessas de investimentos sociais. Não há um roteiro tão óbvio para quem quiser cortejar os simpatizantes de Joaquim Barbosa que, desde a terça-feira, 8, perderam essa opção de voto.

+ É cedo para saber quem se beneficia com a saída de Barbosa, diz diretora do Ibope

O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal não chegou a apresentar ao eleitorado um discurso que possa ser assumido por um concorrente. Pelo contrário, parte de seu apelo era justamente não ter uma plataforma criticável.

Segundo a mais recente pesquisa Datafolha, feita em abril, um em cada dez brasileiros pretendia votar em Barbosa. Sem tradição na política, e pouco presente no noticiário desde 2014, quando renunciou ao cargo no STF, ele ficou em empate técnico com nomes de alta exposição pública, como Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede) e Ciro Gomes (PDT). Um feito.

+ Sem Barbosa, especialistas veem poucas chances de um 'outsider' nas eleições

+ Eleições 2018: Conheça todos os pré-candidatos à Presidência

O maior trunfo de Barbosa, porém, não era a taxa de intenção de voto, mas sua baixa rejeição, de apenas 12% – 17, 11 e 10 pontos porcentuais menor que as de Alckmin, Ciro e Marina, respectivamente. Seu teto de votos não era baixo. Havia espaço para crescer. Agora, só desconhecidos são pouco rejeitados. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.