André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Análise: Não há fórmula para agradar a eleitorado ‘barbosista’

Não há um roteiro tão óbvio para quem quiser cortejar os simpatizantes de Joaquim Barbosa

Daniel Bramatti, O Estado de S.Paulo

08 de maio de 2018 | 22h10

SÃO PAULO - Candidatos interessados no espólio eleitoral do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Operação Lava Jato por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, procuram fazer acenos à esquerda com críticas à austeridade econômica e promessas de investimentos sociais. Não há um roteiro tão óbvio para quem quiser cortejar os simpatizantes de Joaquim Barbosa que, desde a terça-feira, 8, perderam essa opção de voto.

+ É cedo para saber quem se beneficia com a saída de Barbosa, diz diretora do Ibope

O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal não chegou a apresentar ao eleitorado um discurso que possa ser assumido por um concorrente. Pelo contrário, parte de seu apelo era justamente não ter uma plataforma criticável.

Segundo a mais recente pesquisa Datafolha, feita em abril, um em cada dez brasileiros pretendia votar em Barbosa. Sem tradição na política, e pouco presente no noticiário desde 2014, quando renunciou ao cargo no STF, ele ficou em empate técnico com nomes de alta exposição pública, como Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede) e Ciro Gomes (PDT). Um feito.

+ Sem Barbosa, especialistas veem poucas chances de um 'outsider' nas eleições

+ Eleições 2018: Conheça todos os pré-candidatos à Presidência

O maior trunfo de Barbosa, porém, não era a taxa de intenção de voto, mas sua baixa rejeição, de apenas 12% – 17, 11 e 10 pontos porcentuais menor que as de Alckmin, Ciro e Marina, respectivamente. Seu teto de votos não era baixo. Havia espaço para crescer. Agora, só desconhecidos são pouco rejeitados. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.