ANÁLISE: Na educação, só lista de desejos já conhecidos

Aos programas dos principais candidatos ao governo do Estado de São Paulo falta o 'como'

Renata Cafardo, O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2018 | 05h00

Os programas de educação dos principais candidatos ao governo do Estado são como listas de desejos. E desejos unânimes, em São Paulo ou em qualquer parte do planeta. Afinal, quem se oporia a uma “educação de qualidade”, à “valorização da carreira do professor” ou ainda a “manter bem as escolas, com infraestrutura física e tecnológica adequadas”? Essas são apenas algumas das (ditas) propostas para área.

Falta o “como”. Como garantir que 40% as crianças paulistas não cheguem aos 8 anos sem saber ler? Como atrair os melhores alunos para a profissão de professor quando o salário é de R$ 2.500 e ainda é preciso lidar com adolescentes desinteressados por uma escola, de fato, desinteressante? Como arrumar dinheiro, em plena crise econômica, para equipar salas de aula? 

Muitas das prioridades para a educação, depois de anos de pesquisa, já estão estabelecidas. A função de quem pretende transformar a realidade de meninos e meninas não é apenas repeti-las. É encontrar – ou ao menos supor – o caminho para a mudança.

A impressão que dá é que nenhum dos programas foi escrito com a ajuda de especialistas da área. Não se discutiu propostas, não se analisou experiências bem sucedidas. A educação, como sempre, não parece ser prioridade. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.