Felie Rau/Estadão
Felie Rau/Estadão

ANÁLISE: Campanhas para governo paulista fogem da ousadia e trazem narrativas triviais

Além da falta de criatividade estética, os vários espaços vazios, sem propaganda, ao longo da estreia do horário político nas eleições 2018 foram outro convite para se desligar a TV

Adriana Del Ré, O Estado de S.Paulo

31 de agosto de 2018 | 22h58

No primeiro dia de propaganda eleitoral gratuita na TV (e também no rádio), veiculada nesta sexta-feira, 31, campanhas dedicadas ao governo de São Paulo já demonstraram que vão seguir narrativas mais tradicionais neste início de maratona para contar, em poucos minutos, a trajetória de seus respectivos candidatos ao cargo. João Doria, do PSDB, por exemplo, fez uma espécie de ‘filme’ de sua história de vida, com um caleidoscópio de fotos pessoais, em preto e branco, voltando a enfatizar o período em que alega ter passado dificuldades financeiras e que precisou começar a trabalhar ainda jovem.

Paulo Skaf, do MDB, e Márcio França, do PSB, investiram no velho formato de campanha que exalta o dia a dia de trabalho do candidato e seu corpo a corpo com o povo na rua. A propaganda de França trouxe uma combinação de cenas clichês, ligadas à labuta, como o arregaçar das mangas, e também ao cotidiano trivial, como tomar café na padaria e jogar sinuca. No caso de Skaf, sua inserção no horário eleitoral ganhou ares de vídeo institucional, o que não foge do script ao se levar em conta que ele presidiu a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) por anos. Já Luiz Marinho, candidato do PT, apostou no recurso da repetição de imagens em que aparece com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Além da falta de criatividade estética, os vários espaços vazios, sem propaganda, ao longo do horário político foram outro convite para se desligar a TV. Mas a tradição dos candidatos a deputado ou a senador com apelidos, digamos, peculiares, ou rostos famosos, como a medalhista olímpica Maurren Maggi, ao menos, geraram curiosidade. E assunto para as redes sociais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.