José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência Brasil

Alvo de medida cautelar, Ricardo Coutinho não pode ir a debates em João Pessoa

Preso em 2019 durante Operação Calvário, ex-governador da Paraíba e candidato a prefeito pelo PSB cumpre recolhimento domiciliar noturno

Raniery Soares, Especial para o ‘Estadão’, O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2020 | 18h29

JOÃO PESSOA – Alvo de medida cautelar de recolhimento domiciliar noturno, o ex-governador Paraíba Ricardo Coutinho (PSB) não participou do primeiro debate entre candidatos a prefeito de João Pessoa. O encontro, que ocorreu na quinta-feira, 17, foi promovido pela TV Arapuan, afiliada RedeTV! na Paraíba.

Coutinho foi preso em dezembro de 2019 na Operação Calvário. Ele é acusado de participar de um esquema de desvio de dinheiro público da saúde através de contratos com organizações sociais. Ele nega as acusações, mas, desde então, o ex-governador cumpre recolhimento domiciliar a partir das 20h, o que lhe impede de participar de eventos referentes à sua própria campanha realizados em período à noite. A estratégia do ex-governador tem sido promover lives durante os debates realizados pelos veículos de comunicação.

O advogado de Ricardo Coutinho, Eduardo Cavalcanti, afirmou que a defesa do ex-governador entrará com um pedido de habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF), com o objetivo de relaxar as medidas cautelares, principalmente a que trata sobre o recolhimento domiciliar noturno, para que o político possa participar de eventos noturnos durante o período eleitoral. Coutinho já conseguiu na Justiça o direito de não usar mais tornozeleira eletrônica durante a pandemia do coronavírus. O argumento do ex-governador foi de que a manutenção periódica do equipamento precisaria ser feita em uma unidade do sistema prisional da Paraíba.

Para Entender

Calendário Estadão

As datas, definições partidárias, candidaturas e a cobertura especial do jornal das campanhas pelo País e nos Estados Unidos

Outra medida cautelar imposta pela justiça se refere a proibição de contato entre os investigados pela Operação Calvário. Este ponto teve outro reflexo prático durante a convenção do PSB, partido do ex-governador, realizada na quarta-feira, 16. Por causa da sua presença, as deputadas estaduais Cida Ramos e Estela Bezerra, também do PSB, não puderam participar do evento, já que também são investigadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.