Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Alvaro Dias pede que empresários tenham 'lucidez' e não façam escolhas 'equivocadas'

'Se não houver consciência, poderemos assistir à reedição da tragédia', disse o presidenciável do Podemos

Renan Truffi e Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

14 Agosto 2018 | 11h28

BRASÍLIA - O candidato do Podemos à Presidência da República, Alvaro Dias, pediu nesta terça-feira, 14, que os empresários tenham "lucidez" e não façam escolhas "equivocadas" nas eleições 2018 para não haver o que chama de "reedição da tragédia", em referência à situação econômica do País. Sem citar nominalmente nenhum dos candidatos concorrentes, o candidato falou para uma plateia formada por representantes do comércio e serviço em Brasília sobre as consequências de uma possível "escolha errada".

"O diagnóstico tem que ser pessimista. Se eu fizesse um (diagnóstico) otimista, vocês teriam direito de dizer que sou um descarado. Estamos vivendo um momento dramático e, se não houver consciência, lucidez, poderemos assistir à reedição da tragédia. Quando vejo empresário fazendo escolhas equivocadas, eu me pergunto: se chateou por ter trabalhado muito e está enojado, mas quer destruir a riqueza que construiu?", questionou. "É um momento de lucidez porque se não vamos reeditar a tragédia que estamos vivendo", afirmou.

O alerta foi feito em evento com presidenciáveis promovido pela União Nacional de Entidades do Comércio e Serviços (UNECS). Alvaro Dias voltou a defender a refundação da República e disse que é possível mudar a dinâmica do sistema político mesmo com o atual Congresso.

"Eu digo que é possível, sim, refundar o sistema político com esse Congresso convocando as forças vivas dentro e fora da política: academias, religiões, sindicatos, federações, num grande mutirão de mudança no País. O governo que tiver capacidade de propor mudanças e capacidade, vai conseguir (fazer essas mudanças). O Congresso não rema contra a maré. O Congresso não resiste a esse desejo irresistível de mudar esse País para melhor", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.