Jodson Alves/EFE
Jodson Alves/EFE

Alvaro Dias elogia decisão do TSE de rejeitar Lula candidato: 'Respeita o Brasil decente'

Em seu reduto eleitoral, o Paraná, o presidenciável do Podemos participou de um almoço beneficente promovido por uma organização maçônica, onde voltou a defender uma reforma política para o Brasil

Katna Baran, O Estado de S.Paulo

02 Setembro 2018 | 18h43

CURITIBA - Candidato à presidência pelo Podemos, o senador Alvaro Dias comemorou neste domingo, 2, a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de rejeitar, na sexta-feira, 31, a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso e condenado na Lava Jato. Ele afirmou que a decisão “respeita o Brasil decente” e que dá um recado aos políticos para que “não brinquem mais com a boa-fé do brasileiro”.

“Na verdade, o que assistimos foi uma empulhação, uma patifaria. O julgamento (do TSE) foi correto e repõe a verdade”, declarou em evento de campanha em Curitiba, capital do Estado que já governou. O senador participou de um almoço beneficente promovido pela organização maçônica Grande Oriente do Brasil, em prol de diversas entidades de assistência social de Curitiba, especialmente na área de assistência à saúde.

Questionado sobre a expectativa diante do início da propaganda eleitoral na TV e rádio, Dias voltou a defender uma reforma política, pois considerou a campanha “desonesta, injusta e antidemocrática”. “Vai se estabelecer o confronto de lambaris contra tubarões. Tubarões do dinheiro do fundo eleitoral, do tempo de rádio e televisão, e do dinheiro próprio, porque candidatos ricos podem gastar seu próprio dinheiro na campanha e vão gastar parte de sua fortuna para tentar se eleger”, reclamou.

Em uma coligação que inclui o Podemos, o PSC e o PRP, o presidenciável tem 40 segundos para expor suas propostas nos programas de rádio e TV. No primeiro programa, ele explorou a Operação Lava Jato, com filmagens do entorno do prédio da Polícia Federal, em Curitiba, onde o ex-presidente Lula está preso desde abril. Na narração, o candidato diz: “tem gente visitando a minha cidade para homenagear o político preso”. O senador também explorou a imagem do juiz Sergio Moro, responsável pelos processos de primeira instância da operação.

Saúde. Durante o evento em Curitiba, Dias tratou de propostas relacionadas à área da saúde. Entre elas está a ideia de criar uma careira típica para o “médico federal”, que substituiria o Mais Médicos, programa criados nos governos petistas. Ele também defendeu mudanças na legislação que oferece isenção de impostos para usuários de planos de saúde.

“Há planos que cobram menos, mas a agência não fiscaliza e o atendimento é precário, e os dependentes desses planos acabam no SUS. Então nós estamos gastando duas vezes: isentando impostos de um lado para os planos de saúde e, de outro lado, recebendo os dependentes dos planos de saúde em hospitais públicos”, disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.