André Dusek/Estadão/Paulo Whitaker/Reuters
André Dusek/Estadão/Paulo Whitaker/Reuters

Álvaro Dias diz que vai rever teto dos gastos e que Temer se tornou 'cadáver político'

Em entrevista ao Roda Viva, senador e pré-candidato do Podemos nas eleições 2018 fez duras críticas ao governo

Cristian Favaro, O Estado de S.Paulo

05 Junho 2018 | 12h31

O senador e pré-candidato do Podemos ao Palácio do Planalto nas eleições 2018, Álvaro Dias, disse que vai rever o teto constitucional dos gastos públicos, criado pelo governo do presidente Michel Temer. "Vamos ter de rever, mas não digo eliminar. É preciso adotar mecanismos de fiscalização e controle", afirmou o presidenciável em entrevista ao Roda Viva, da TV Cultura, na noite de segunda-feira, 4.

++ Álvaro Dias e Amoêdo largam na frente arrecadação por vaquinha virtual

Dias fez duras críticas ao governo Temer, que, segundo ele, não fez as reformas estruturais necessárias, o que "inviabiliza o cumprimento dessa política adotada pela PEC 95 (que instituiu o teto)". "O governo fez puxadinhos e pinguelas, não reformas", disse em outro momento. "O presidente da República virou um cadáver insepulto politicamente."

++ Álvaro Dias diz que eleições de 2018 são as mais importantes desde 1989

O pré-candidato, entretanto, disse que a PEC do teto não reduz gastos em educação, cujos investimentos ele quer que alcance 10% do PIB. Segundo Dias, o teto é comum em diversos países e demanda uma realocação de recursos para áreas prioritárias.

++ Tacla Duran questiona Lava Jato em Comissão na Câmara

Sobre o desemprego, Álvaro Dias defendeu que a saída é estimular a economia por meio da reforma tributária. O pré-candidato nas eleições 2018 disse que pretende tributar mais a renda e menos o consumo. Apesar desse posicionamento, ele desconversou quando questionado sobre a tributação de heranças e investimentos financeiros. "Podemos discutir esse assunto", desde que não se crie "penduricalhos, itens novos."

Álvaro Dias defende aliada

O presidenciável defende que, se eleito, vai "refundar a República". "Vamos apresentar num só ato um conjunto de medidas para a refundação da República, esse sistema fracassado, que distribuiu incompetência e corrupção."

++ Em sigilo, Justiça suíça investiga operador do MDB desde 2014

Apesar da defesa das boas práticas na política, Dias foi questionado pelo fato de a presidente do seu partido, Renata Abreu, ter recebido dinheiro de empresas investigadas pela Lava Jato. Em defesa de sua aliada, argumentou que "esse passado ficou para trás" e que todas as doações, à época, foram legais. "Esse era o modelo vigente na época", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.