Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Alvaro Dias diz que eleições de 2018 são as mais importantes desde 1989

Pré-candidato participou de evento com outros dez presidenciáveis no Rio e afirmou que a decisão nas urnas pode evitar a 'reedição da fábrica de tragédias' que o País vive

Roberta Pennafort e Renata Batista, O Estado de S.Paulo

08 Maio 2018 | 14h58

NITERÓI - O pré-candidato do Podemos à Presidência da República, Alvaro Dias, disse nesta terça-feira, 8, que a crise fiscal brasileira pode paralisar a administração pública federal no ano que vem. Para ele, as eleições 2018 são as “mais importantes desde a redemocratização”, e terão de evitar “a reedição da tragédia que estamos vivendo” e a manutenção da “fábrica de escândalos” em que se transformou Brasília. Com outros dez presidenciáveis, Dias participou da 73ª Reunião Geral da Frente Nacional dos Prefeitos, realizada em Niterói, no Grande Rio.

+ Dias: ‘Candidatura Temer é encenação, obra do marketing oficial’

“A corrupção e a incompetência fez o País mergulhar num oceano de dificuldades. O grande desafio é vencer a descrença. O governo, na sua incompetência de gestão, produziu déficit público recorde, R$ 800 bilhões sem correção”, afirmou. Ele criticou desonerações feitas pelo governo federal, por considerá-las “caridade com chapéu alheio”. Defendeu a “refundação da República e do pacto federativo” e o fim de privilégios “no andar de cima”, referindo-se ao governo federal.

A uma plateia de prefeitos, Álvaro Dias lembrou que há um “discurso municipalista no Congresso”, nem sempre posto em prática. “É uma boa cobrança em ano eleitoral, que se assumam compromissos com o municipalismo, mas o do voto, não o do discurso. Há uma descabida distribuição de recursos públicos. Falar em refundação da República é falar da refundação do federalismo brasileiro. Temos que atualizar nossa legislação, sobretudo em matéria tributária.  Arrecadamos muito, cobramos demais, aplicamos mal, desperdiçamos os recursos”.

+ 'Estadão Notícias': Alvaro Dias rejeita tese da bipolarização: "PT e PSDB estão condenados"

Evento com pré-candidatos nas eleições 2018

A reunião de prefeitos é o primeiro evento com múltiplos candidatos nesta fase de pré-campanha eleitoral. Os presidenciáveis falam separadamente, depois de assistirem a um vídeo onde são mencionadas propostas discutidas pelos prefeitos nos últimos dias.

++ Álvaro Dias diz que vai rever teto dos gastos e que Temer se tornou 'cadáver político'

Os primeiros foram Rodrigo Maia (DEM), Geraldo Alckmin (PSDB), Guilherme Afif Domingos (PSD), Manuela D’Ávila (PCdoB) e Marina Silva (REDE). Também falarão Aldo Rebelo (SD), Ciro Gomes (PDT), Guilherme Boulos (PSOL), Henrique Meirelles (MDB) e Paulo Rabello (PSC).

++ Álvaro Dias e Amoêdo largam na frente arrecadação por vaquinha virtual

Foram convidados os candidatos mais bem posicionados nas pesquisas ou que são de partidos com pelo menos cinco parlamentares. O deputado Jair Bolsonaro (PSL) não compareceu e não justificou a ausência, diante do questionamento do Estado. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que está preso, pediu para enviar um representante, mas a FNP não concordou. Lula enviou uma carta à entidade, que será divulgada à imprensa.

Clique aqui para ler outras notícias e acompanhar a cobertura completa das eleições 2018.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.