Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Alvaro Dias: Campanha anti-PT para chegar ao Planalto

Candidato pelo Podemos, senador usa discurso de oposição a petistas para atrair eleitor de centro

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

07 Outubro 2018 | 05h00

Aos 73 anos, no quarto mandato pelo Paraná e sem risco de ficar fora do Congresso em caso de derrota, o senador Alvaro Fernandes Dias é o primeiro candidato a presidente da República lançado pelo Podemos – que, até 2016, se chamava Partido Trabalhista Nacional. “Estou na fase definitiva da minha trajetória política e quase sempre fui oposição”, afirmou ele, ao confirmar sua candidatura no ano passado, no ato de sua filiação.

O anseio pelo Palácio do Planalto, porém, veio bem antes disso. Durante a campanha de 2014, uma das propagandas do senador já sugeria voos mais altos. “Não sei por que um homem daquele (Dias) não foi e não está sendo presidente da República”, dizia um homem que aparecia na imagem sendo entrevistado pela equipe do senador. Então filiado ao PSDB, Dias se reelegeu para o Senado com 77% dos votos válidos no Estado (4,1 milhões), proporcionalmente, o melhor desempenho no País. Agora, na corrida ao Palácio do Planalto, ele aparece nas pesquisas com 1% a 2% das intenções de voto. 

Moro. Com dificuldade de se apresentar como uma novidade após 42 anos exercendo mandatos no Executivo e Legislativo, o presidenciável do Podemos tentou se posicionar como alternativa de centro e pregou a “refundação da República” – redução do tamanho do Estado e eliminação de privilégios. Também se apresentou como adversário do PT, abraçou a narrativa contra a corrupção e explorou a imagem do juiz federal Sérgio Moro, da Lava Jato, a quem convidou pela TV para ser ministro da Justiça, caso vencesse a eleição. 

Na busca para se viabilizar como candidato ao Palácio do Planalto, Dias tentou alianças com outros partidos, mas foi preterido pelas siglas médias do Centrão – DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade –, que fecharam apoio ao candidato Geraldo Alckmin (PSDB). Tardiamente, o senador conquistou o apoio do PSC, que retirou a candidatura do ex-presidente do BNDES Paulo Rabello de Castro, atualmente candidato a vice-presidente na chapa de Dias. Por acordos regionais, coligou-se ao PTC e também ao PRP.

Paulista de Quatá, Dias é professor de História, licenciado pela Universidade Estadual de Londrina. Na cidade, iniciou a vida pública como vereador, depois foi deputado estadual e federal. Popularizou-se no rádio, de onde guarda a forma pomposa de falar e a voz grave. Vaidoso, o senador tem cabelos implantados e tingidos. Costuma se vestir com roupas de tom escuro. É sócio de empresa do ramo imobiliário, de onde vem a maior parcela de seu patrimônio declarado à Justiça eleitoral, de R$ 2,9 milhões.

ALVARO DIAS, 73 anos

Coligação: Podemos, PRP, PSC e PTC

Currículo: Formado em História pela Universidade Estadual de Londrina (PR).

Cargos que ocupou: Senador, já foi governador do Paraná (1987-1991), deputado federal e estadual.

Família: Casado com Débora Amaral de Almeida Fernandes Dias. Tem dois filhos.

Curiosidade: Nas Diretas Já, foi pioneiro nos “showmícios”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.