Aliados do PT mostram limites de acordos eleitorais

No colegiado que definiu o destino do mandato do agora ex-deputado José Genoino, composto por sete membros - sendo apenas um oposicionista, do PSDB -, o que se viu ontem foi um PT isolado pelos mesmos aliados que, fora do Congresso Nacional, intensificam as tratativas de acordos eleitorais de 2014 com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e com a presidente Dilma Rousseff.

CENÁRIO: Caio Junqueira, O Estado de S.Paulo

04 Dezembro 2013 | 02h04

Dois deles, PMDB e PP, passaram a tarde do último sábado com Lula e Dilma no Palácio da Alvorada, a negociar os termos de uma aliança que é dada como certa. Outro, o PSD, tornou-se há duas semanas o primeiro partido a anunciar a adesão à campanha de Dilma. Por fim, o PR, um aliado simbólico da era petista no Planalto: está na Esplanada desde 2003, no Ministério dos Transportes.

Nada disso, porém, evitou que saíssem justamente desses aliados os votos que formariam a maioria pela abertura do processo de cassação de Genoino, o que deflagrou sua renúncia. Prevaleceu ali o recado de que mensalão é assunto do PT, não da coalizão governista. Ainda que dois desses partidos, PP e PR, estejam também na linha de frente dos protagonistas do escândalo.

A diferença é que PP e PR precisam se preocupar mais com a sobrevivência de suas bancadas - em uma eleição cuja previsão é de alta taxa de renovação - do que em tentar registrar na história que são vítimas de um julgamento político.

Ao enviar esse recado de que o mensalão não lhes pertence, a base insere na encomenda outros dois. O primeiro, uma amostra do seu grau de incômodo por se ver diminuída no recebimento dos bônus de ser governo, ao mesmo tempo em que se vê pressionada a incorporar seus ônus, como ser parceira do adiamento de um processo de cassação. O segundo recado é que, a despeito disso, nem o mensalão nem esse modelo de relação com a base serão fatores desagregadores dos acordos negociados fora do Congresso, tendo em vista a interdependência eleitoral de todos os envolvidos.

Mais conteúdo sobre:
José Genoino

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.