Aliados de Lula, senadores fracassam nas eleições municipais

Almeida Lima, Patrícia Saboya e Marcelo Crivella não conseguiram transformar apoio do presidente em votos

Rosa Costa, de O Estado de S. Paulo,

05 de outubro de 2008 | 20h43

Aliados do governo, os senadores Almeida Lima (PMDB-SE), Marcelo Crivella (PRB-RJ) e Patrícia Saboya (PDT-CE) fracassaram na tentativa de transformar o apoio ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva em votos. Os três senadores sequer chegaram ao segundo turno. Por imposição da lei eleitoral, os parlamentares não puderam usar em seus programas a imagem do presidente. Ou seja, tiveram de dispensar no palanque o que julgavam ser a principal bandeira da campanha. Veja Também: Cobertura completa das eleições 2008 Especial: Perfil dos candidatos Eu prometo: Veja as promessas de campanha dos candidatos TSE registra 168 prisões e casos de 509 irregularidades Imagens da votação pelo Brasil  "Do governismo, eles ficaram apenas com o ônus, sem poder recorrer ao bônus nas votações pontuais", avalia o cientista político Paulo Kramer. O fiasco na campanha dos senadores é, segundo Kramer, uma prova de que, nas disputas municipais, o parlamentar tem de ter algum tipo de bandeira que convença o eleitor, "tem de ter luz própria", sentencia.  O professor de Ciências Políticas João Paulo Peixoto acredita que os senadores podem, ainda, ter sido vítimas da "distância" provocada pelo cargo e as exigências do eleitorado da cidade em que tentaram se eleger. "É possível que eles tenham sido vitimados duplamente, por não puderem apregoar proximidade com o presidente e por não estarem envolvidos nas questões municipais", afirma. Os senadores Patrícia Saboya e Almeida Lima acreditam que, apesar das limitações impostas pela lei, o presidente Lula fez o que pode para ajudá-los. "A melhor forma dele me ajudar, foi não ter vindo aqui", defende a senadora, que ficou em terceiro lugar na disputa pela prefeitura de Fortaleza com 15,41% dos votos válidos, referindo-se à estratégia de Lula de não fazer campanha aberta para candidata de seu partido, a prefeita Luizianne Lins, que foi reeleita no primeiro turno. Para Almeida Lima, que disputou a prefeitura de Sergipe e obteve apenas 17,73% dos votos, Lula cumpriu com o compromisso feito com a direção nacional de seu partido, o PMDB, de não favorecer o candidato petista. "O apoio de Lula é bom, é um apoio importante e como presidente ele apóia quem apóia ele", defende. Por sua vez, Crivella foi quem mais usufruiu da proximidade com o governo e quem mais surpreendeu por não ter chegado ao segundo turno, depois de passar um bom tempo da campanha à frente dos demais concorrentes. Ele obteve apenas 19% dos votos válidos e ficou em terceiro lugar na disputa. O vice-presidente da República, José Alencar, de seu partido, disse mais de uma vez que Crivella era o candidato do governo, ou - nas suas palavras - era "o candidato do coração do presidente Lula".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.