Rodolfo Buhrer/Reuters
Rodolfo Buhrer/Reuters

Aliados de Ciro acreditam em 'união forçada' da esquerda após cassação de Lula

Pedetistas em SP creem que rejeição de Haddad pode favorecer voto no ex-ministro para presidente nas eleições 2018

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

02 Setembro 2018 | 12h24

O indeferimento da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), definida no sábado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) animou a campanha do PDT em São Paulo nas eleições 2018. Aliados do presidenciável Ciro Gomes acreditam que ele pode abocanhar boa parcela do eleitorado simpático a Lula no Estado. 

"Ciro se torna uma alternativa segura para o eleitor. A chamada união da esquerda, que tentamos no primeiro turno, pode se dar agora de forma forçada", disse ao Estado/Broadcast Político o candidato do PDT ao governo de São Paulo, Marcelo Cândido.

O candidato ao Senado Antonio Neto (PDT) acrescentou: "Agora que as coisas ficam mais claras, a possibilidade de Ciro cresce muito em São Paulo. O eleitor pensa em votar em alguém que não tenha que viajar a Curitiba para tomar decisões."

O partido aposta ainda na rejeição a Fernando Haddad, ex-prefeito da capital paulista e provável novo cabeça de chapa petista, para atrair parte dos votos do PT no Estado. "Isso ajuda. Ciro conversa com esse eleitor simpático ao PT, mas também tem críticas ao ex-presidente", comentou Neto.

A tese havia sido admitida pela candidata a vice na chapa de Ciro, Kátia Abreu. "Nós estamos nos dedicando muito em São Paulo, porque avaliamos que há pessoas que já votaram no PT e não querem o Haddad. E não querem o (Geraldo) Alckmin (PSDB). Então nós temos de buscar, sensibilizar", afirmou a senadora na última semana.

O candidato pedetista voltou a criticar a cúpula do PT, desta vez relacionando Haddad a mais um "laboratório" da legenda petista. Ao ser perguntado sobre a capacidade do PT de transferir votos de Lula para Haddad, Ciro declarou que "o Brasil não é um laboratório".

"Não faz dois anos ainda que o Lula e eu apoiamos o Haddad na Prefeitura de São Paulo para tentar uma reeleição. O Haddad perdeu a eleição para o Doria, que é um farsante, e perdeu para o nulo e branco", comentou Ciro, ao fazer campanha em Jundiaí (SP). "A gente precisa ter um pouquinho de responsabilidade para saber que o Brasil não é um laboratório; o Brasil não aguenta mais experiências. A Dilma, afinal de contas, começa esse desastre que nós estamos vivenciando no País", declarou o candidato do PDT.

Questionado se estava afirmando que Haddad seria mais um "laboratório" do PT, Ciro desviou. "Chega de futrica. Vamos trabalhar." O pedetista não quis opinar sobre a capacidade de transferência de votos de Lula para Haddad. "Vocês é que vão dizer, né?", declarou a jornalistas, após rir com a pergunta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.