Divulgação PV
Divulgação PV

Alckmin volta a negociar com PV para ser vice de Lula após PSB desistir de federação

Presidente do PV, José Luiz Penna afirmou que possibilidade do ex-tucano se filiar à legenda cresceu

Luiz Vassallo, O Estado de S.Paulo

11 de março de 2022 | 16h42

Após o PSB desistir da federação com o PT, o ex-governador Geraldo Alckmin teve uma nova reunião com o presidente do PV, José Luiz Penna, na tarde desta sexta-feira, 11, em São Paulo, na sede do partido. 

Ao Estadão, Penna afirmou que cresceu a possibilidade de o ex-tucano se juntar à legenda: “Nessa quarta-feira, o PSB revelou que não vai para a federação. Acho que diante do quadro aumenta nossa chance de ter o governador nas nossas hostes”. 

“Ele revelou que o círculo político dele tem muitas pessoas entusiasmadas com a filiação aqui. O que deixou a gente esperançoso”, comemorou Penna. 

O presidente do PV afirmou que, até a próxima semana, Alckmin deve decidir seu futuro partido. Ele relatou ao Estadão que o ex-governador tem ouvido recomendações de Luciano Huck para se filiar à legenda. 

“A história que ele revelou é que teve uma longa conversa com o Luciano Huck e quando ele disse que estava conversando com vários partidos e citou o PV, o Luciano disse: 'Tem que ser PV, governador!'", relatou Penna. 

Além de Penna e Alckmin, participaram da reunião o ex-secretário Marcos Belizário e a ex-deputada estadual Regina Gonçalves, do PV. Procurado, o ex-governador ainda não se manifestou sobre o encontro com os verdes.

Antes da reunião em que o PSB decidiu não participar de uma federação com PT, PCdoB e PV, o presidente dos pessebistas, Carlos Siqueira, chegou a anunciar que Alckmin havia se comprometido a entrar para o partido

No mesmo dia, no entanto, o ex-governador procurou manter em aberto as negociações. “Sigo conversando com outros partidos que buscam uma unidade de ação em defesa da democracia e de melhores condições de vida para o nosso povo”, publicou em sua rede social. Além do PSB e PV, Alckmin teve convites do Solidariedade e do PSD.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.