Alckmin visita Sabesp e descarta novamente racionamento em SP

Aproveitando o encontro com governador de SP, um grupo de professores cobrou atenção do Estado para a Educação

EDGAR MACIEL, O Estado de S. Paulo

14 de setembro de 2014 | 13h36

SÃO PAULO - O candidato à reeleição ao governo de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) fez campanha na manhã deste domingo, 14, no recém-inaugurado Parque da Sabesp, na Mooca, zona leste da capital. Acompanhado do candidato do partido ao senado José Serra, Alckmin cumprimentou os moradores da região e descartou novamente as chances de um racionamento de água no Estado.

"Estamos em constante avaliação do nosso Sistema Cantareira e reitero que não há hipótese de vivermos um racionamento em 2014". Alckmin disse que se reeleito vai trabalhar para aumentar os investimentos de longo prazo na Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), antecipando "em seis anos" as obras de interligação das represas de Jaguari e Atibainha, que estão previstas para 2020.

O candidato também destacou que vai realizar novas parcerias público-privadas (PPP) para obras de abastecimento, além da interligação do Sistema Cantareira com o Rio Paraíba.

Alckmin também comentou sobre os ataques que vem recebendo dos adversários, principalmente de Alexandre Padilha (PT) e Paulo Skaff (PMDB), e afirmou que "está imune às críticas". "O dia da eleição está se aproximando e esse movimento da oposição só tende a aumentar daqui pra frente. Não vou me preocupar (com as ofensas)", disse.

Enquanto cumprimentava e tirava foto com os eleitores, um grupo de professores abordou o candidato e pediu atenção para a educação. "Não se esqueça dos professores, Alckmin! Vamos cobrar!", gritavam.

O Parque da Mooca foi inaugurado no sábado, 13, no mesmo local onde fica o reservatório de água da região. Alckmin percorreu toda a área de 21,2 mil metros quadrados, que recebeu o plantio de centenas de árvores, uma área de exposição e uma pequena queda d'água, que não estava funcionando. O motivo: falta de chuva.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.