Alckmin tenta emplacar chefe da Casa Civil no Tribunal de Contas

Indicação será feita pela Assembleia; coordenador da campanha de Serra é um dos cotados para substituí-lo no governo

O Estado de S.Paulo

17 Outubro 2012 | 03h06

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) mobiliza seus aliados para emplacar o secretário da Casa Civil, Sidney Beraldo, em uma vaga no Tribunal de Contas do Estado (TCE). Alckmin comunicou a intenção ao primeiro escalão do governo e a políticos próximos. O objetivo é conseguir o apoio da maioria dos deputados da Assembleia Legislativa, que são responsáveis pela indicação.

Beraldo é o principal homem de confiança do governador no Palácio dos Bandeirantes. Como um dos sete conselheiros do TCE, participaria da aprovação anual das contas do governo e das prefeituras paulistas, com exceção da capital. A Lei da Ficha Limpa barra a candidatura de governantes que tiverem contas reprovadas e Alckmin é candidato à reeleição em 2014.

A campanha pela indicação de Beraldo foi tema de uma reunião da cúpula do governo, ontem à noite. Em junho, o governador já havia conseguido emplacar Dimas Ramalho (PPS) no TCE. Alckmin venceu um lobby do deputado estadual Campos Machado (PTB), que apoiava a indicação de Jorge Caruso, do PMDB.

Um conselheiro do TCE recebe R$ 24 mil e fica no cargo até os 70 anos, quando se aposenta compulsoriamente. Beraldo completa 62 anos em novembro.

Alckmin também começou a discutir a reforma de seu secretariado, o que deve acontecer após as eleições municipais. Não há definição sobre o possível substituto de Beraldo na Casa Civil. Estão cotados Edson Aparecido (secretário licenciado de Desenvolvimento Metropolitano e coordenador da campanha de José Serra à Prefeitura), Julio Semeghini (secretário de Planejamento) e Saulo de Castro (Transportes).

A pasta pode ser desmembrada em dois núcleos ou secretarias: uma dedicada à articulação política e uma com foco na gestão de projetos. O objetivo é agilizar obras e negociações com aliados, com vistas à campanha de 2014. / JULIA DUAILIBI e B.B.

Mais conteúdo sobre:
eleições 2012HaddadSerra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.