Epitácio Pessoa/AE - 27.12.2011
Epitácio Pessoa/AE - 27.12.2011

Alckmin quer tucanos próximos do PP de Maluf

Governador pede a futuro líder do PSDB na Câmara que a bancada se aproxime do partido, que tem 5º maior tempo de TV na campanha eleitoral

Julia Duailibi, de O Estado de S.Paulo

06 de janeiro de 2012 | 03h07

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) pediu aos tucanos que se esforcem para manter o PP, do ex-prefeito Paulo Maluf, no arco de alianças que ele articula para a eleição municipal deste ano.

Na terça-feira, em encontro no Palácio dos Bandeirantes com o deputado Bruno Araújo (PE), que será o novo líder dos tucanos na Câmara, o governador pediu ao parlamentar que se aproximasse da sigla, dona do quinto maior tempo de televisão no horário eleitoral gratuito, atrás do PT, PMDB, PSDB e DEM.

Alckmin quer que a bancada tucana tenha boa relação com o PP num momento em que o DEM, principal aliado dos tucanos, está fragilizado no Congresso após a perda de quadros para o PSD, partido criado pelo prefeito paulistano, Gilberto Kassab.

Sem um candidato natural no PSDB para disputar a Prefeitura de São Paulo, Alckmin dedica-se à construção de um arco de alianças que garanta tempo de TV para o nome que lançar. Os secretários estaduais Andrea Matarazzo (Cultura), Bruno Covas (Meio Ambiente) e José Aníbal (Energia) e o deputado Ricardo Tripoli pretendem disputar prévias em março, mas Alckmin quer o ex-governador José Serra como candidato.

Nos cálculos dos tucanos, o candidato do PSDB será competitivo se contar com o apoio do DEM e do PP, que garantiriam, pelo menos, cinco minutos em cada um dos dois blocos diários na propaganda eleitoral gratuita na televisão.

Maluf, hoje cortejado por Alckmin, era inimigo dos tucanos. Foi um dos principais adversários políticos do governador Mario Covas (1933-2001), de quem Alckmin é herdeiro político.

Para conseguir o apoio do PP na eleição de 2012, o governador contemplou a sigla com a presidência da Companhia Habitacional de Desenvolvimento Urbano (CDHU ). Mas o partido quer aumentar a influência na companhia e nomear cargos para diretorias. Há, no entanto, resistência no PSDB, que controla a pasta à qual a CDHU está ligada - a Secretaria da Habitação, de Sílvio Torres. Nesta semana, reportagem do jornal Folha de S. Paulo mostrou que moradias populares entregues pela CDHU no interior têm problemas estruturais, como vazamentos e infiltração.

Alianças. Apesar do foco no DEM e no PP, Alckmin trabalha ainda para atrair o PDT, o PTB e, principalmente, o PSB. Na reunião com Araújo, que deve assumir a liderança no mês que vem, ele disse também que fossem estreitados os laços com o PSB, que sofre investida de Kassab.

A tendência hoje é que o prefeito lance um candidato pelo PSD. Para viabilizar uma eventual candidatura, ele trabalha para ter o tempo de TV do PSB - pelo menos 2min30s diários. Também tenta atrair outro aliado dos tucanos, o PV.

Mais conteúdo sobre:
alckmineleições 2012ppmaluf

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.