Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Alckmin põe em dúvida estratégia do colega mineiro

Em Brasília para participar de um seminário sobre administração pública, o governador paulista Geraldo Alckmin lançou dúvidas, ontem, sobre a estratégia do senador Aécio Neves (PSDB-MG) de frequentes aparições na TV. "Não sou de acreditar que coisas muito distantes da eleição tenham reflexo em pesquisa", advertiu o governador, que avalia ser cedo, ainda, para o PSDB lançar o seu candidato a presidente.

Mariângela Galucci / Brasília, O Estado de S.Paulo

24 de maio de 2013 | 02h05

Em propagandas do partido na televisão, Aécio tem feito comentários sobre assuntos nacionais, como a inflação. Questionado se ele, como governador de São Paulo, também não deveria ter aparecido na propaganda, Alckmin respondeu: "Nós estamos muito bem representados pelo Aécio, que foi eleito por unanimidade presidente do partido". Segundo o governador, as aparições na TV são "uma exposição importante, que mostra o pensamento do partido, a visão do partido da questão política".

Foi, então, que Alckmin fez a ponderação ao dizer não acreditar que "coisas distantes da eleição" tenham reflexo em pesquisa: "A população centra mesmo a sua atenção, corretamente, durante o período eleitoral. Aí tem uma atenção total".

Serra em 2014. Em seguida, Alckmin afirmou que o ex-governador José Serra "deve ser candidato em 2014" - mas quando indagado sobre qual seria o cargo, foi lacônico: "Só ele pode responder".

O governador elogiou a convenção do PSDB do dia 18, "uma convenção da unidade", mas insistiu que só no fim deste ano ou no começo do ano que vem é que se pode escolher o nome. "Agora é hora de o partido ouvir o povo, percorrer o Brasil, elaborar um programa de governo. Eu sou contra antecipação de candidatura", repetiu. "Se você antecipar candidatura, você encurta o governo, o que não é bom para a população".

Havendo mais de um candidato, ele defende a realização de prévias. "Quanto mais você abrir o debate, mais pessoas participarem, melhor. A prévia é um modelo interessante, mas isso se tivermos mais de um candidato", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.