Alckmin 'paz e amor' diz que política se faz 'com coração'

Sem ataques aos adversários e com a ausência de Serra, tucano dá ênfase à sua biografia no programa de rádio

Gisele Silva, do estadao.com.br,

20 de agosto de 2008 | 13h03

O candidato Geraldo Alckmin (PSDB) à Prefeitura de São Paulo adotou um estilo "paz e amor" no primeiro programa eleitoral no rádio nesta quarta-feira, 20, e disse que política se faz "com o coração". Sem ataques aos adversários e com a ausência do governador de São Paulo, José Serra, o tucano deu ênfase à sua biografia e trajetória política. Lembrou a infância em Pindamonhangaba, a morte da mãe, a estréia na política, a ligação com o ex-governador Mário Covas e chamou Lu Alckmin de "companheira maravilhosa".  Ela, por sua vez, gravou uma mensagem em apoio ao marido: "Ele me ajudou muito. Geraldo gosta de gente".  Alckmin reiterou que a "família é tudo", ressaltou o amor a Deus e a ligação: "Começa com amor aos filhos, à família, às pessoas. Tenho certeza que serei um bom prefeito".  Veja também:Candidatos a prefeito dominam programa de vereadores em SP  estadao.com.br terá fichas de candidatos a vereador  Você vai acompanhar o horário eleitoral para definir seu candidato ?  Veja a íntegra da última pesquisa  Multimídia: Perfil dos candidatos  Guia tira dúvidas do eleitor   O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso foram as duas figuras de peso que apareceram no primeiro programa de rádio dos candidatos a prefeito de São Paulo nesta quarta-feira, 20. O primeiro pediu votos à candidata petista Marta Suplicy: "Sua volta à Prefeitura é a melhor coisa que pode acontecer a São Paulo neste momento. Vamos trabalhar muito por São Paulo, eu e você (Marta)".   FHC ressaltou as qualidades de Alckmin e justificou seu voto: "O povo de São Paulo precisa de um bom prefeito.  Serra, no entanto, foi lembrado pelo atual prefeito e candidato do DEM, Gilberto Kassab, que ressaltou a parceria com o governador na Prefeitura da capital paulista. "Eu e Serra sabíamos que era preciso fazer algo para melhorar o atendimento à saúde", disse ao falar da Assistência Médica Ambulatorial (AMA), ressaltando que deu continuidade à política do tucano em pouco mais de dois anos na gestão de São Paulo.  Assim como Marta, Kassab também anunciou em seu programa que vai aumentar o número de Centros Educacionais Unificados, os CEUs, marca registrada da administração da ex-prefeita petista na cidade. O candidato do DEM aproveitou ainda para atacar Marta dizendo que sua prioridade é "acabar com escolas de lata", e não plantar coqueiro, em referência ao plantio de flores e mudas na gestão da candidata do PT, quando ela estava no comando da cidade (2000-2004). O candidato do PP, Paulo Maluf, entrou com um rap e não falou no seu primeiro programa de rádio, que apenas ressaltou as obras do ex-prefeito na cidade, como os Cingapuras, o túnel Airton Senna e a Avenida Água Espraiada. A candidata do PPS, Soninha Francine, que tem pouco mais um minuto e meio, afirmou que usará o horário eleitoral para apresentar, em 18 programas, sua visão sobre os problemas da cidade e as propostas caso seja eleita. O candidato do PSOL, Ivan Valente, pediu votos dizendo: "Vote em quem não tem rabo preso e tem coragem de mudar. Vote no coração valente".  Levy Fidelix, do PRTB, ressaltou a proposta do "aerotrem". Edmilson, do PCB, propõe a "governança comunista em São Paulo" e diz que o partido é do século XXI e tem 86 anos de lutas históricas. O PCO, que teve o registro da candidatura de Anaí Caproni indeferido, diz que eleição "mantém os capitalistas no poder contra o interesse dos eleitores". Renato Reichmann, do PMN, disse que ia apresentar três propostas em seu programa: "Educação, educação e educação", sem dar detalhes. O candidato do PTC, Ciro Moura, afirmou que terá "tolerância zero" contra corrupção. A propaganda eleitoral termina dia 2 de outubro. No rádio é transmitida das 7 horas às 7h30 e das 12h às 12h30. Na TV é veiculada das 13h às 13h30 e das 20h30 às 21h. Kassab terá o maior tempo com 8 minutos e 44 segundos, seguido por Marta com 6 minutos e 40 segundos e Alckmin, 4 minutos e 27 segundos.  Já o candidato Paulo Maluf (PP) terá 2 minutos e 30 segundos de programa; Soninha Francine (PPS) terá 1 minuto e 46 segundos; Ciro Moura (PTC), 1 minuto e 3 segundos; Ivan Valente (PSOL), 1 minuto e 2 segundos; Levy Fidelix (PRTB), 54 segundos; Edmilson Costa (PCB), 54 segundos; Anaí Caproni (PCO), 54 segundos e 55 centésimos; e Renato Reichmann (PMN), 1 minuto e 1 segundo.  Anaí teve seu registro de candidatura indeferido pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), mas ela está recorrendo da decisão junto ao tribunal e terá tempo na TV e no rádio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.