Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

'Alckmin não é confiável. Não tem chance', diz Arthur Virgílio, do PSDB

Prefeito se recusa a receber presidenciável do PSDB em Manaus e deixa tucano sem palanque no Amazonas

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2018 | 17h41
Atualizado 20 de setembro de 2018 | 12h51

Um dos fundadores do PSDB, o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, disse ao Estado nesta quarta-feira, 19, que o ex-governador Geraldo Alckmin, presidenciável da sigla, “não é uma pessoa bem vinda” no Amazonas. “Não vejo nenhuma chance de vitória dele. Não tenho como apoiá-lo. Alckmin não é uma pessoa confiável aos olhos do eleitor do Amazonas”, afirmou Virgílio.

O prefeito de Manaus tornou-se desafeto do ex-governador quando desafiou Alckmin a disputar prévias para escolher o candidato  do PSDB ao Palácio do Planalto nas eleições 2018, o que acabou não acontecendo.

Após o início da campanha, emissários de Alckmin tentaram uma aproximação com Virgílio para abrir um palanque no Amazonas, mas não obtiveram sucesso.

Segundo Virgílio, o PSDB ameaçou não repassar recursos do fundo partidário se ele não se engajasse na campanha de Alckmin. “Fizeram uma pressão enorme para eu adotar mais a campanha dele. Mandaram um comissário, o João Almeida (diretor de gestão corporativa do PSDB), com quem falei durante 4 horas. Me senti o colonizado diante do colonizador”, afirmou o  prefeito.

Virgílio também afirmou que não vê “ninguém” no PSDB satisfeito com a campanha de Alckmin e relatou que anunciou seu rompimento diante de 6 mil pessoas em um comício ontem em Manaus.

Segundo o diretor de gestão corporativa do PSDB, João Almeida, Alckmin deu diversas declarações de apoio à Zona Franca de Manaus, várias delas pessoalmente ao próprio prefeito de Manaus. "Além das palavras, concretamente, Geraldo, quando governador, fez um entendimento decisivo em 2014 com o governador Melo para a fixação do pólo de informática na Zona Franca", disse em nota.  "E mais, é uma outra mentira a afirmação de que foi ameaçado de não receber apoio financeiro do partido.  Arthur Virgilio está buscando uma boia para evitar o seu iminente naufrágio político no Amazonas." 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.