Alckmin muda secretariado de olho em aliança com PDT

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), deu início ontem à minirreforma do secretariado para o seu segundo ano de mandato na atual gestão.

GUSTAVO URIBE / AGÊNCIA ESTADO, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2011 | 03h02

O tucano decidiu deslocar o secretário Julio Semeghini, que estava à frente da Gestão Pública, para o comando da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional de São Paulo. A secretária adjunta Cibele Franzese assumirá interinamente o lugar de Semeghini, presidente do diretório paulistano do PSDB.

A solução caseira, segundo fontes do Palácio dos Bandeirantes, tem como objetivo abrir espaço na máquina estadual para contemplar partidos aliados, preferencialmente o PDT.

O governador vem nas últimas semanas ensaiando uma maior aproximação com o partido do ministro Carlos Lupi (Trabalho), um potencial aliado do PSDB para as eleições municipais de 2012.

Em outubro, Alckmin anunciou que Emanuel Fernandes deixaria, por motivos pessoais, a Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional de São Paulo. O secretário decidiu se afastar do cargo para acompanhar mais de perto o tratamento médico de sua mulher. O governador trabalhava com uma lista de oito nomes para ocupar o cargo, entre eles o do ex-secretário estadual de Economia e Planejamento na gestão José Serra Francisco Vidal Luna.

O governador ainda não definiu se Semeghini desempenhará também a função de presidente do Comitê Paulista para a Copa do Mundo de 2014, que estava sob o comando de Emanuel Fernandes. O governador discute ainda se empresas e autarquias como o Detran e o Poupatempo ficarão sob o controle da Secretaria de Gestão Pública ou da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional.

Em nota, Alckmin manifestou "seu apreço pelos grandes serviços prestados por Emanuel Fernandes, a quem considera um dos melhores, mais honrados e mais qualificados homens públicos do País".

PDT e prévias. Por enquanto, o nome mais forte dentro do partido de Lupi para entrar no governo Alckmin é o do deputado João Dado (SP). Ele seria uma indicação do colega de Câmara Paulinho Pereira da Silva (SP).

Semeghini, além das fundações do novo posto, tem também a responsabilidade comandar o processo de escolha do candidato do PSDB a prefeito de São Paulo. No dia 28, o partido realizará um debate com os postulantes José Aníbal (secretário estadual de Energia), Andrea Matarazzo (secretário estadual de Cultura), Bruno Covas (secretário estadual do Meio Ambiente) e Ricardo Trípoli (deputado federal). A ideia é definir o indicado no início do ano que vem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.