Alckmin ignora Serra e mantém ataques contra Kassab

A ação do governador José Serra (PSDB) na semana passada para tentar estancar a crise no PSDB e salvar a aliança com o DEM para o segundo turno da eleição em São Paulo surtiu efeito zero até ontem. No rádio e na TV, os ataques entre o tucano Geraldo Alckmin e o prefeito Gilberto Kassab (DEM) prosseguiram em alta temperatura, na contramão do que pregam os principais líderes das duas siglas.Em resposta às acusações de Alckmin de que em 2004 Serra não o queria como vice em sua chapa, Kassab mostrou em seu programa fotos ao lado de líderes tucanos - como o próprio Serra, o governador Mário Covas e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. E ressaltou ter "respeito político" e "coerência". Foram mostradas ainda imagens da campanha de 2004 em que Alckmin aparece apoiando e aplaudindo a chapa que venceu as eleições.Já o tucano não recuou nas críticas ao desempenho do prefeito, dizendo que ele ficou "devendo muito na educação e saúde" e deixou crianças fora da creche. "Isso é imperdoável." Nas inserções, o PSDB voltou a usar as imagens de Kassab e Alckmin divididas meio a meio, enquanto o locutor cita as ligações de cada um, insistindo em identificar Kassab com Pitta e Alckmin com Covas.A campanha alckmista também ataca no front jurídico. Os tucanos entraram na Justiça Eleitoral com representação contra a utilização pelo prefeito do depoimento do tucano José Gregori em seu favor. No horário do DEM, Gregori ressalta que a aliança Serra-Kassab representa "um pacto pela cidade". O PSDB já pedira no sábado ao TRE a retirada do depoimento, mas como ele voltou a ser usado ontem, estava prevista a apresentação de novo recurso. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.