Alckmin defende parceria com setor privado para transporte

Em entrevista a rádio, candidato tucano à Prefeitura afirmou que outra prioridade é a segurança pública

da Redação

05 de agosto de 2008 | 15h38

O candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, Geraldo Alckmin, defendeu nesta terça-feira, 5, que a prefeitura faça parcerias com a iniciativa privada para melhorar o trânsito na cidade, citando como exemplo a Linha Amarela do Metrô, feita por meio de Parceria Público-Privada (PPP).  Veja Também: Pesquisa Ibope - São PauloPerfil dos candidatos a prefeito em SPGuia do eleitor esclarece dúvidas sobre o pleito Em entrevista à rádio CBN, ele disse que uma das formas de reduzir o trânsito é criar estacionamentos subterrâneos para tirar os carros das ruas, para que a pessoa possa parar o carro perto de um corredor de ônibus ou estação de trem e metrô e ir para seu destino. Para melhorar o trânsito na cidade, o candidato também pretende investir em transporte público com foco nos corredores de ônibus. "Como buscar recursos? PPP. A única PPP que saiu do papel foi a linha do metrô. Um dos problemas é o excesso de carros. Precisa tirar os carros, só que há oito anos não se faz garagem subterrânea. Tira da superfície, tira da avenida [o carro]. Você estabelece o local, faz concessão por dez anos. Nós podemos fazer muito estacionamento privado. O governo não deve colocar dinheiro", explicou. O candidato tucano afirmou que outra prioridade é a segurança pública. Segundo ele, a intenção é aumentar a guarda metropolitana, as câmeras de vídeo e a iluminação pública. Na área da saúde, Alckmin afirmou que o objetivo é criar 10 centros de especialidades para trabalharem em parceria com as Unidades Básicas de Saúde (UBSs). "A rede básica precisa funcionar melhor. As Amas (Assistências Médicas Ambulatoriais) não vão resolver. É pronto atendimento, presta bom serviço. Minha proposta é dez centros de especialidades em contatos com UBS." As UBS atendem as consultas médicas. Questionado sobre o motivo de alguns bairros pobres não terem sido contemplados com hospitais durante a gestão do PSDB na Prefeitura de São Paulo, Alckmin disse que os hospitais estão sendo construídos na periferia. "A prefeitura ficou 17 anos sem fazer uma cama, um hospital. Fizemos em 12 anos 19 hospitais. O PSDB investiu na área da saúde", disse ele. Alckmin pretende também levar mais emprego para as periferias para que os trabalhadores não precisem se deslocar muito tempo. "São Paulo precisa ter novas centralidades. Vamos mudar isso com um plano diretor estratégico. Precisamos fazer projetos habitacionais, emprego e moradia nas regiões mais distantes, levar emprego para lá", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições 2008Geraldo AlckminPSDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.