AL terá força-tarefa da PF para apurar crime eleitoral

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Cezar Britto, informou hoje, após reunião com o ministro da Justiça, Tarso Genro, que o governo concordou em enviar uma força-tarefa da Polícia Federal para ajudar no andamento de mais de 300 inquéritos policiais que foram abertos em Alagoas para punir crimes de corrupção eleitoral ocorridos no Estado desde as últimas eleições. O presidente da OAB em Alagoas, Omar Coelho, que também participou da audiência com Tarso, disse que "o ministro Tarso Genro compreendeu a importância da agilidade desses inquéritos e se comprometeu a enviar uma força-tarefa da PF para Alagoas". "Agora que os inquéritos foram instaurados, nós não podemos frustrar a opinião pública, deixando-os parados. Isso geraria impunidade, e, consequentemente, acomodação", afirmou Coelho. Segundo ele, a maioria das denúncias feitas pela população foi acompanhada de provas do crime cometido. "Essas denúncias foram transformadas em inquéritos, que estão praticamente parados na sede da Polícia Federal devido à falta de policiais suficientes em Alagoas para dar andamento às investigações", afirmou o presidente da OAB/AL.O delegado Francisco Luis Marques Ribeiro, da Delegacia de Defesa Institucional da Polícia Federal de Alagoas, confirmou que foram instaurados mais de 300 inquéritos de crimes eleitorais, envolvendo candidatos a prefeito e vereador nas eleições de 2008. Para ele, a força-tarefa será bem-vinda. "É importante a vinda de colegas de outros Estados para nos ajudar nessas investigações, que demandam tempo porque são muitas testemunhas para ouvir e informações para checar", disse. "Quanto mais tempo os políticos envolvidos na compra de votos permanecem no mandato maior é o risco que correm os cofres públicos de prefeituras e Câmara Municipais."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.