Agnelo segura crise dando espaço a Dirceu

Para contornar pressões, governador do DF nomeia Jacques Pena, amigo do ex-ministro, ao Banco de Brasília

VANNILDO MENDES / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2011 | 03h04

Em mais um movimento para retomar o controle do governo do Distrito Federal, abalado pela maior crise desde sua posse, o governador Agnelo Queiroz ampliou o espaço do PT ligado ao ex-ministro José Dirceu na equipe e designou o sindicalista Jacques Pena para a presidência do Banco de Brasília (BRB). Petista de carteirinha, Pena vai tomar conta do cofre do governo, cujo orçamento,de cerca de R$ 25 bilhões anuais, é ali centralizado.

Principal provedor de serviços bancários da administração direta e das empresas públicas do DF, o Banco de Brasília centraliza ainda o recebimento de todos os impostos, multas e taxas locais, como IPTU e IPVA. Mais da metade do Orçamento do governo circula pelas contas dos 250 mil servidores ativos e inativos do Executivo.

Pena é ligado ao Construindo um Novo Brasil, corrente mais forte do partido, que tem como grande expoente o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e, entre seus caciques, José Dirceu - que comanda, em nível nacional, uma operação de socorro ao governador. Agnelo é alvo de denúncias de recebimento de propina quando foi ministro do Esporte (2003-2006) e diretor da Anvisa (2007-2010). Em Brasília, a corrente é comandada pelo próprio governador e pelo deputado distrital Chico Vigilante.

Desgaste. Espécie de coringa do governo, Pena substituirá um técnico, Edmilson Gama, que sai desgastado por resistir às tentativas de aparelhamento político do banco. A última delas foi protagonizada, em agosto, pelo policial militar João Dias, delator do esquema de propina que derrubou o ministro do Esporte, Orlando Silva.

Dias teve rejeitadas as contas de convênios, no valor de R$ 3,4 milhões, assinados com duas ONGs que ele dirige - uma federação e uma associação de kung fu. Para saldar a dívida, cobrada pelo ministério, o policial indicou um afilhado, Manoel Tavares, como diretor da corretora de seguros do Banco de Brasília. A corretora fatura mais de R$ 400 milhões ao ano e 5% desse montante, cerca de R$ 20 milhões, são distribuídos entre dirigentes da instituição mediante critérios pouco transparentes.

Dias esperava, com isso, drenar uma fatia da comissão que corre solta pelos diretores e assim liquidar a dívida com o ministério. Gama vetou o esquema e demitiu Tavares, que ficou apenas uma semana no cargo. O policial foi à forra e tornou público o escândalo dos convênios do programa Segundo Tempo.

Escândalos. Pena começou como secretário do Gabinete Civil, ponto nevrálgico do governo. Em março, foi deslocado para a Secretaria de Desenvolvimento Econômico. Foco frequente de denúncias de desvio de recursos para financiamento de campanhas eleitorais, o Banco de Brasília foi alvo de auditorias do Banco Central e esteve a um passo de ser vendido ao Banco do Brasil no governo anterior.

Recentemente o banco recuperou-se e registrou lucro nos últimos dois semestres. Ao Estado, Pena disse que a venda do banco está totalmente fora da agenda do atual governo e prometeu uma gestão "com os seguintes atributos: moralização, seriedade e profissionalismo, rigor técnico e competência". Prometeu ainda desenvolver um trabalho livre de ingerências políticas e sanar os esquemas que sangraram as finanças do banco nos governos anteriores.

A blindagem do governador tem o aval do Planalto e envolvimento direto da cúpula do PT. Na quinta-feira, a Comissão Executiva Nacional do partido divulgou resolução convocando a militância a se engajar na defesa de Agnelo. Em nota, o partido explica que Brasília foi alvo de esquemas de corrupção e que Agnelo é vítima da retaliações. "Os operadores e beneficiários desta corrupção sistêmica são os responsáveis pela campanha difamatória contra o governador, nosso governo e nosso partido."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.