Agnelo enviou emissários a Cachoeira

Escutas feitas pela PF mostram que contraventor recebeu assessores de governador; petista queria que Demóstenes parasse de atacá-lo

FÁBIO FABRINI, ALANA RIZZO / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2012 | 03h06

Assessores do governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), figuram como mensageiros do petista em diálogos com Carlinhos Cachoeira e seus aliados, apontam as investigações da Polícia Federal na Operação Monte Carlo. Nas conversas, eles levam supostos recados de Agnelo e tratam de interesses da organização criminosa no governo.

Apontado no inquérito como o "01 de Brasília", o próprio governador teria enviado, via Cachoeira, um aviso ao senador Demóstenes Torres para que críticas a seu respeito cessassem. A informação aparece no resumo de um dos telefonemas entre o contraventor e o ex-diretor da Delta Construções, Cláudio Abreu, em 6 de julho de 2011.

"Te contei ontem que o coisa... mandou um recado para o Demóstenes (de) que, se bater nele, vai contar que reuniu lá no apartamento dele para pedir obras?", questiona Cachoeira. "Você comentou ontem comigo. Uai, negar, né, doutor? Chamou o cara de mentiroso, safado", responde Abreu. A PF diz que os dois, provavelmente, falam de Agnelo e não informa que situação teria motivado a ameaça.

O ex-subsecretário de Esporte João Carlos Feitosa, o Zunga - que pediu demissão após a revelação de que teria solicitado uma conversa entre o governador e Cachoeira - figura nas escutas como interlocutor de Agnelo em outra circunstância. Em 16 de junho de 2011, o contraventor é avisado pelo araponga Idalberto Matias, o Dadá, de que Zunga dissera que o "01, Magrão" precisava lhe falar. Segundos depois, Cachoeira liga para o assessor de Agnelo, querendo saber do que se trata.

De acordo com a PF, Zunga queria saber se Demóstenes trabalhava para convocar o governador a prestar explicações sobre algum caso no Congresso. E pede para Cachoeira interceder junto ao senador. "Parece que o amigo seu aí, o careca, tava com um negócio de fazer um pedido de convocação. Verifica se tem fundamento isso", solicita.

Questionado sobre qual seria o motivo da convocação, ele responde: "Negócio que estava envolvido um pessoal grande do partido. Vou 'puxar' melhor e, se for verdade mesmo, ele (Agnelo) pediu para você se pode ajudar. Fica ruim chamar ele (sic)", diz.

Segundo a PF, Zunga negociou com a organização de Cachoeira nomeações no Serviço de Limpeza Urbana dias antes da posse de Agnelo e intermediou, junto ao ex-chefe de gabinete do petista, Cláudio Monteiro, conversa de Demóstenes com o então governador eleito. O objetivo do senador seria tratar de interesses do grupo, como indicam as escutas.

Em 30 de dezembro de 2010, Cláudio Abreu cobra de Dadá um retorno sobre conversas com Agnelo, intermediadas por Monteiro, que se afastou do cargo recentemente para se defender de denúncias de que recebeu dinheiro da organização. "É importantíssimo ele fazer essa interface com o governador, ficar falando bem da gente para o governador", orienta.

Novos grampos da PF indicam que Cachoeira contribuiu em 2010 para a campanha de Monteiro, que se candidatou a deputado distrital. Em maio do ano passado, o próprio Cachoeira se refere a Monteiro como "o cara que eu ajudei muito na campanha", em conversa com Edivaldo Cardoso, ex-diretor do Detran de Goiás.

Outro lado. Monteiro nega ter recebido dinheiro do grupo de Cachoeira. Agnelo informou, por meio de seu porta-voz, Ugo Braga, que os grampos "são uma série de fofocas que não tem nada a ver com o governador do DF". Ele alegou que os diálogos sobre o suposto recado de Agnelo a Demóstenes não menciona o nome e nem a palavra governador. O porta-voz assegurou que o governador nunca se reuniu com Cláudio Abreu e que o grupo de Cachoeira não conseguiu emplacar nomeações no DF, embora tenha se articulado para isso. Procurado pelo Estado, Zunga não foi encontrado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.