Afilhado de Cid vira o jogo sobre o favorito

Afilhado de Cid vira o jogo sobre o favorito

Camilo Santana (PT) tem 52% das intenções de voto, enquanto Eunício Oliveira (PMDB) tem 48%, segundo o Ibope; margem de erro é de 3 pontos percentuais

Pablo Pereira, O Estado de S. Paulo

25 de outubro de 2014 | 20h15


Apoiado pelo governador Cid Gomes (PROS), o deputado estadual Camilo Santana (PT), 46 anos, chega ao 2.º turno no Ceará surfando uma onda de popularidade impensável até o 1.º turno da eleição estadual. A virada no humor do eleitor cearense começou a aparecer no dia 5, quando Santana, que vinha em segundo lugar nas pesquisas, não só garantiu presença em nova votação como ficou à frente de Eunício Oliveira (PMDB) ao obter 47,81% dos votos válidos, ante 46,41% do adversário. 

Ex-secretário de Cidades do governador Cid Gomes, agrônomo, funcionário público do Ibama, com patrimônio declarado de menos de R$ 600 mil, o petista enfrenta o tesoureiro do PMDB e ex-ministro das Comunicações no governo Lula (2004 a 2005). Empresário, Eunício tem patrimônio declarado na Justiça Eleitoral de cerca de R$ 100 milhões. 

O acirramento na campanha ao governo do Estado, observado na subida do candidato petista - Eunício esperava liquidar a fatura no 1.º turno -, chegou a registrar enfrentamentos violentos entre militantes nas ruas de Fortaleza durante o último debate do 1.º turno.

Polarização. Nas carreatas, caminhadas e comícios, pela capital e pelo interior, os cearenses costumam tomar posições políticas claras. E circulam com carros cobertos de adesivos, fazem “bandeiraços” nas praças e cantam os hinos de campanha mostrando a polarização entre os verde e branco de Eunício, que tem o apoio do senador eleito Tasso Jereissati (PSDB), e os amarelo e vermelho de Santana, sempre acompanhado pela militância petista e por seguidores do governador Cid Gomes e do ex-ministro e ex-governador Ciro Gomes.

Reflexo nacional. A disputa nacional - o Ceará deu ampla vitória à presidente e candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) na primeira rodada de votação - também se destaca no confronto regional. Nos últimos dias, cresceu o número de carros com propaganda de Eunício, aliado de Dilma, ostentando adesivos do candidato tucano à Presidência, Aécio Neves.

Entre os temas mais polêmicos da campanha, o principal confronto foi o da segurança pública. Eunício aproveitou a crise política entre o governo e setores da Polícia Militar e se aliou ao deputado Capitão Wagner (PR), deputado estadual mais votado, rival declarado dos Gomes, e líder da categoria. Diante dessa divergência entre as campanhas e do clima de tensão na militância, a Justiça Eleitoral pediu tropas da Força Nacional para fazer o acompanhamento no Estado. Mais de 2.500 homens foram destacados para resguardar a votação.

Cartada. Buscando marcar posição na reta final dos programas de TV, o candidato peemedebista, que é líder do seu partido no Senado, usou uma última cartada. Colocou no ar um vídeo no qual o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva elogia seu desempenho no Ministério das Comunicações.

“Poucas vezes na história um ministro da Comunicação se dedicou da forma como o companheiro Eunício se dedicou. Por tudo isso, companheiro Eunício, eu quero te agradecer. Agradecer ao trabalho extraordinário que você fez: defendeu o Estado do Ceará, defendeu o País”, declara Lula na gravação, feita no Palácio do Planalto. O candidato petista também usou Lula, que apareceu na TV dizendo “Vote 13, vote PT”. 

Sábado. No último dia de campanha, Santana e Eunício fizeram carreatas desde a manhã em Fortaleza e arredores. Por volta de 10h, Santana estava acompanhado por Cid Gomes e pelo prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio. “Vamos garantir a maioria para a presidenta Dilma”, afirmou o governador. Eunício voltou a criticar “o uso da máquina” contra ele. “Fomos esmagados”, disse. Santana vota em Barbalha, a cerca de 500 quilômetros da capital. Eunício vai à urna em Fortaleza.

Ibope. A última pesquisa de intenção de votos para o governo do Ceará mostra Santana e Eunício Oliveira em empate técnico. Segundo dados divulgados no início da noite deste sábado, 25, o petista tem 52% contra 48% do peemedebista. A margem de erro da pesquisa é de 3 pontos percentuais. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.