Afif leva projeto estadual para Haddad

Vice de Alckmin, hoje ministro de Dilma, pede reunião com petista após 'Estado' mostrar que desburocratização atende só a 4% das cidades

FERNANDO GALLO, BRUNO BOGHOSSIAN, O Estado de S.Paulo

25 de maio de 2013 | 02h04

Um dia depois de afirmar que seu projeto de desburocratização de abertura de empresas foi "abandonado" pela gestão Geraldo Alckmin (PSDB), o vice-governador e ministro da secretaria da Micro e Pequena Empresa, Guilherme Afif (PSD), se reuniu ontem com o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), para iniciar o mesmo procedimento na capital paulista, comandada pelo PT.

Afif ligou ontem para Haddad para pedir o encontro. A reunião não estava prevista na agenda do petista, divulgada anteontem à noite. Na quinta-feira, reportagem do Estado mostrou que o plano do vice para reduzir a burocracia no Estado, lançado por ele em 2007 quando era secretário do Trabalho, só foi implantado em 23 das 645 cidades paulistas e não atinge nem 10% da população.

Em entrevista publicada ontem, Afif sustentou que "faltou respaldo" do governo, que o projeto "não foi colocado como prioridade máxima", e que ele "não está fracassado porque nem sequer foi implantado".

A reunião de ontem foi um gesto político de aproximação ainda maior com o PT. De concreto, Afif e Haddad não tiraram metas nem um plano de trabalho, apenas o prazo de 15 dias para a assinatura de um "protocolo de entendimento" entre a União, o Estado e o município.

Em entrevista, o vice-governador e ministro cometeu uma gafe ao afirmar que "soube" que o atual secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Luiz Quadrelli, "está sendo trocado", e que, por causa disso, tomou a "providência" de ligar para o novo secretário, Rodrigo Garcia (DEM), para dizer que está empenhado em ajudar a cidade de São Paulo a reduzir a burocracia. Atual secretário de Desenvolvimento Social de Alckmin, Garcia assumirá a pasta, mas ainda não foi oficializado por Alckmin no cargo.

Haddad evitou comentar o acúmulo de cargos de Afif. "À parte a relação de décadas que tenho com a família do Guilherme, tenho uma relação institucional com o ministério."

Ataque. Quadrelli, atual secretário de Desenvolvimento Econômico, afirmou que "só mesmo uma confusão mental ou um mal-entendido podem explicar as declarações" de Afif sobre o programa de desburocratização. "É até curioso ele fazer essas críticas, sendo que, quando saiu da secretaria, deixou sua equipe de confiança cuidando dos programas", disse. "Se houve algum abandono - o que não foi o caso -, a culpa seria da própria equipe dele".

Quadrelli disse que a secretaria enfrentou "dificuldade na capital, então administrada pelo líder político do Afif", o ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD). "Por questões burocráticas e talvez um pouco de má vontade, a gestão Kassab nunca conseguiu viabilizar a adesão do município", escreveu, por e-mail.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.