Evelson de Freitas/Estadão
Evelson de Freitas/Estadão

Aécio vota em BH e fala em 'unificar o País'

Candidato distribuiu abraços e cumprimentou eleitores; em entrevista coletiva, tucano acusa o PT de ter feito 'terrorismo eleitoral' em campanha

Elizabeth Lopes e Pedro Venceslau, enviados especiais, e Marcelo Portela, O Estado de S. Paulo

26 de outubro de 2014 | 10h37

Atualizado às 12h18

BELO HORIZONTE - O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, votou às 10h24, num colégio da região central de Belo Horizonte. Acompanhado da mulher, Letícia Weber, do senador eleito Antonio Anastasia e de outros correligionários, o presidenciável tucano distribuiu abraços, cumprimentou eleitores e posou para fotos. Em entrevista coletiva concedida depois de votar, o tucano afirmou que, se eleito, sua primeira missão será unificar o País, que se dividiu entre sua candidatura e a da presidente Dilma Rousseff (PT).

Em entrevista coletiva concedida após votar, no colégio Milton Campos, no Bairro de Lurdes, em Belo Horizonte, local onde a adversária petista começou sua militância política na juventude, Aécio disse que está mais preparado do que Dilma para governar.

"Me vejo em melhores condições de fazer este entendimento e governar o Brasil do que minha adversária", disse, reiterando que pretende cumprir cada um de seus compromissos de campanha e governar para os que mais precisam, os pobres e mostrar que "o terrorismo feito pela campanha adversária tinha o intuito de fazer o PT se perpetuar no poder". E frisou: "Estou pronto para ser o presidente de todos, da união nacional e de um novo ciclo de crescimento e desenvolvimento sustentável no Brasil."

Antes da coletiva, em rápido pronunciamento feito ao lado da esposa Letícia Weber, ambos vestidos de azul, Aécio disse que esta campanha eleitoral teve duas marcas antagônicas e fortes. A primeira, protagonizada pelo PT, que foi "a mais sórdida campanha jamais feita no País, com ofensas, calúnias e mentiras, protagonizada por um partido político que quer se manter no poder". Segundo ele, a forma como o PT tratou seus adversários neste pleito é uma triste história da democracia brasileira.

Depois das críticas à campanha adversária, o presidenciável tucano disse que a outra marca, numa referência à sua candidatura, deixará como lembrança no Brasil a mobilização das pessoas nas ruas. "Outra extraordinária marca que o Brasil irá se lembrar é a do Brasil que acordou e foi para as ruas para dizer que não aceita mais que um partido se julgue dono do nosso destino."

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesAécio NevesPSDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.