Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

Aécio recua e desiste de pedir licença do Senado

Tucano planejava se dedicar exclusivamente à campanha, mas prefere ter tribuna disponível para discursos

Erich Decat, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2014 | 02h02

BRASÍLIA - Candidato do PSDB à Presidência, o senador Aécio Neves (MG) recuou e decidiu permanecer no mandato durante a disputa eleitoral. Inicialmente, o tucano planejava se licenciar para se dedicar exclusivamente à campanha presidencial.

Com a mudança dos planos, Aécio deve manter a estrutura de gabinete no Senado e em Minas, o que inclui o pagamento da cota parlamentar de R$ 15 mil e do valor correspondente de cinco passagens aéreas por mês de ida e volta da capital do Estado de origem a Brasília.

Pesou na decisão a avaliação de que Aécio poderia usar a tribuna da Casa, mesmo com o "recesso branco" fixado pelos próprios parlamentares, para determinados posicionamentos e para se defender de ataques. A decisão deve ser anunciada hoje. Na segunda-feira, Aécio disse que abrirá mão do salário de R$ 26.723,13 até outubro.

'Situação trágica'. Ontem, em Brasília, o candidato do PSDB criticou o "intervencionismo" do governo Dilma Rousseff na economia e considerou como "trágica" a situação do setor energético do País.

As declarações ocorreram poucas horas depois de Dilma, candidata à reeleição, vistoriar as obras da Usina de Belo Monte, em Altamira (PA) (mais informações na pág. A7). Na ocasião, a petista gravou imagens para o programa eleitoral na TV e afirmou que sua gestão fez mais pela geração de energia elétrica em quatro anos de mandato do que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em oito.

"É trágica a situação do setor energético brasileiro. O custo dos equívocos do governo para o cidadãos brasileiros por meio dos aportes do Tesouro são imensos. São recursos que poderiam estar indo para saúde, para segurança pública e até para outros investimentos", afirmou o tucano, após ato na Associação Médica de Brasília. "A verdade é que esse caráter intervencionista do atual governo faz muito mal ao Brasil porque desorganiza setores, como ocorreu com o setor elétrico."

Aécio aproveitou a presença de representantes da área da saúde no ato de campanha e prometeu a criação de 500 unidades regionais em todo País. O tucano também criticou a contratação de médicos estrangeiros por parte do Programa Mais Médicos, umas das principais bandeiras de Dilma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.