Aécio minimiza influência no crescimento de aliado em BH

O governador Aécio Neves (PSDB)minimizou sua influência na arrancada nas pesquisas de intençãode votos do candidato do PSB à prefeitura de Belo Horizonte,Márcio Lacerda. Lacerda passou do quarto para primeiro colocado nas últimassondagens da capital. "Acho que há um certo exagero, uma superestimação da minhapresença e da minha importância nessa campanha", afirmou ogovernador durante ato de campanha de Lacerda na região centralde Belo Horizonte nesta segunda-feira, ao lado do prefeitoFernando Pimentel (PT), outro articulador da candidatura. As declarações de Aécio contrastam com avaliação feita porcientistas políticos e até por integrantes da própriacandidatura. O deputado estadual Marcos Pestana (PSDB), que estálicenciado do cargo de secretário de Estado da Saúde paraparticipar da coordenação da campanha do PSB, atribuiu a subidade Lacerda nos últimos levantamentos à identificação docandidato com Aécio e Pimentel. "Já tínhamos expectativa de subida nas pesquisas. Há seisanos há um trabalho conjunto do governador Aécio e do prefeitoPimentel. Na hora que a população casasse o candidato com essetrabalho, ele cresceria", avaliou Pestana. O próprio Lacerda acredita na influência de Aécio ePimentel. "A aceitação da nossa candidatura, das nossas teses,tem a ver com os índices de aprovação dos governos municipal eestadual, mas tem a ver também com a minha trajetória, com omeu preparo", avaliou. Aécio também criticou a ação apresentada pela candidata JôMoraes (PCdoB), que perdeu a liderança para Lacerda naspesquisas, pedindo à Justiça Eleitoral de Minas Gerais queproíba o uso de depoimentos do governador nos programaseleitorais do PSB. O argumento é que o PSDB não integra acoligação de Lacerda, o apoio é informal. "Eu estou absolutamente tranqüilo. O meu partido teve umaposição, tomada em sua convenção, de apoio ao candidato MárcioLacerda, e eu continuarei à disposição da campanha paraaparecer como for: caminhando aqui, como estamos hoje. Noprograma eleitoral, enquanto a Justiça Eleitoral definir queesse é o caminho", acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.