Aécio estuda chapa puro-sangue com Aloysio na vice

Presidenciável disse a aliados que dobradinha com o colega de Senado, ligado a Serra, seria estratégia para atrair PSDB paulista

DÉBORA BERGAMASCO/ BRASÍLIA , O Estado de S.Paulo

28 Abril 2013 | 02h04

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) confidenciou a aliados mais próximos no partido que trabalhará para compor uma chapa puro-sangue, com um tucano de São Paulo na vice, caso sua candidatura à Presidência seja confirmada pelo partido.

O nome citado até o momento é o do senador Aloysio Nunes Ferreira, político próximo ao ex-governador José Serra. Aécio costura esse plano nos bastidores para amarrar o PSDB de São Paulo à sua candidatura.

Aécio tem dito que a dobradinha com Aloysio Nunes pode arrebatar eleitores de Minas Gerais e de São Paulo, os dois maiores colégios eleitorais do País. Em São Paulo, são 31,3 milhões de eleitores. Em Minas, mais 15 milhões. Com isso, Aécio e seus aliados acreditam que podem atenuar o possível predomínio histórico do PT no Nordeste.

A chapa também é vista como uma chance para selar a união dos tucanos mineiros com os paulistas. Hoje, ainda há dificuldade de relacionamento do mineiro com setores mais ligados ao ex-governador José Serra.

Preterido no atual projeto político do PSDB, Serra ainda não se conformou com a escolha do nome de Aécio pela maioria do partido para enfrentar Dilma em 2014 e tem se recusado até a aparecer em eventos em torno do senador.

Procurado pelo Estado, Aloysio Nunes resiste à ideia, pelo menos por enquanto. "Deus me livre. Não quero ser um estorvo protocolar. Vice não tem função prática", disse o senador, que já foi vice-governador de São Paulo na gestão de Luiz Antônio Fleury Filho, entre 1991 e 1994. E completou: "Não quero morar no Jaburu, não quero andar cercado por seguranças. Me acho um senador razoável e quero continuar sendo um. Já fui vice, não quero mais".

Vingando ou não o nome de Aloysio, Aécio tem dito que não vai deixar essa escolha para última hora. Em 2010, Serra, então candidato a presidente, lançou seu vice, o ex-deputado federal Antônio Índio da Costa (DEM-RJ), só no final de junho, um mês e meio depois de Dilma escolher Michel Temer (PMDB).

A opção retardatária do tucano acabou sendo um desastre político. Os dois nem se conheciam, as afinidades não apareceram e o carioca deu declarações polêmicas, como quando acusou o PT de ser ligado às Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia).

A formação de uma chapa puro-sangue tucana seria um movimento raro dentro do PSDB nas disputas presidenciais. Apenas em 1989 o partido concorreu ao Palácio do Planalto sem montar uma coligação. Na ocasião, Mário Covas terminou em quarto lugar, tendo como vice o ex-senador e ex-governador do Pará Almir Gabriel. Depois, Fernando Henrique se elegeu em 1994 e em 1998 com o pefelista Marco Maciel na chapa. José Serra concorreu em 2002 tendo a deputada Rita Camata (ES), do PMDB, ao seu lado. Geraldo Alckmin disputou em 2006 em dobradinha com o senador pefelista José Jorge (PE). Para fechar o ciclo, Serra candidatou-se numa aliança com o DEM, tendo Índio da Costa na vice.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.