Aécio diz que se alguém do PSDB tiver ligação com Youssef terá de responder pelo envolvimento

Sobre pesquisa que coloca Dilma numericamente à frente, tucano afirma que levantamentos erraram no primeiro turno

Erich Decat e José Maria Tomazela, enviados especiais, O Estado de S. Paulo

21 de outubro de 2014 | 18h22

Campo Grande - O candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, disse na tarde desta terça-feira, 21, que se alguém do PSDB tiver ligação com o esquema do doleiro Alberto Youssef terá de responder pelo envolvimento. O tucano fez a afirmação após ser questionado sobre o depoimento de Leonardo Meirelles, suposto laranja de Youssef, que, em depoimento à Justiça Federal, apontou a participação de parlamentares do PSDB no esquema, além de Sérgio Guerra, ex-presidente do partido, que já havia sido citado. "Se houver amanhã efetivamente alguém do PSDB que tenha cometido alguma ilicitude, tem que responder por ela", afirmou.

Em entrevista em Campo Grande, Aécio também contestou os resultados da última pesquisa Datafolha, divulgada nesta segunda-feira, 20, que mostram Dilma Rousseff (PT) com 52% dos votos válidos e Aécio com 48%, no limite do empate técnico. 

O tucano lembrou que os números do primeiro turno o colocavam em terceiro lugar ao longo da disputa eleitoral. "Os institutos de pesquisas estão devendo explicações desde o primeiro turno. Os erros foram grosseiros em toda parte", afirmou. "Se o resultado é esse, em comparação com o primeiro turno, considero que o Datafolha me coloca como próximo presidente da República."

Segundo o candidato, o PSDB tem feito várias pesquisas internas que apontam uma vantagem dele sobre Dilma fora da margem de erro. 

Aécio também foi perguntado, durante coletiva, sobre o problema hídrico de São Paulo e voltou a dizer que, se o governador do Estado, Geraldo Alckmin (PSDB), tivesse tido uma parceria maior do governo federal, os resultados teriam sido melhores. Ao lado de dirigentes locais, Aécio prometeu que seu primeiro ato, caso eleito, será concluir as obras do Hospital do Trauma na cidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.