Aécio diz que Dilma foi a MG porque está 'assustada'

No último dia de campanha, tucano percorre ruas da Região Metropolitana de Belo Horizonte, onde vota e acompanha apuração

Pedro Venceslau, Enviado especial de O Estado de S. Paulo

04 de outubro de 2014 | 11h38

SANTA LUZIA - O candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, disse na manhã deste sábado, 4, durante um evento de campanha em Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, que a presidente Dilma Rousseff (PT) decidiu fazer campanhas em Minas Gerais neste sábado porque "provavelmente está assustada".

"Ela provavelmente está assustada. Acho que ela não se preparou para nos enfrentar. Vamos para  o segundo turno e ganhar as eleições. Ela está percebendo onde vai se dar a disputa, e a disputa será conosco", disse o candidato tucano.

Candidata à reeleição, Dilma desistiu de fazer campanha ao lado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, para fazer campanha na capital mineira, sua cidade natal. A ideia é tentar minimizar o crescimento de Aécio no Estado e dessa forma impedir a realização do segundo turno.

Em entrevista coletiva, o candidato tucano voltou a criticar a petista. "Quando questionado sobre o seu plano de governo na área de economia, que foi divulgado nesta sexta-feira, 3, Aécio ironizou a presidente. "A atual presidente o máximo que conseguiu nos apresentar foi quem será seu ex-futuro ministro da Fazenda."

Ao lado do candidato tucano ao governo mineiro, Pimenta da Veiga, Aécio participou de uma rápida carreata por uma rua de Santa Luzia. No trecho final, os cabos eleitorais se encontraram com um grupo que agitava bandeiras e distribuía material de campanha de Dilma Rousseff.

A campanha de Aécio está apostando no episódio recente envolvendo os Correios para desgastar a presidente Dilma. Estão sendo distribuídos panfletos em Minas em alusão ao caso.

Aécio vai percorrer outras três cidades da Região Metropolitana de Belo Horizonte, antes de encerrar sua campanha na capital mineira. Ele fica na cidade no domingo. Depois de votar, assistirá à apuração ao lado de aliados no Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.