Aécio cria 'Rede' para ala jovem do tucanato

Senador tenta minar influência de Serra sobre grupo que coordena as ações para a juventude

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

15 de julho de 2013 | 02h05

Aécio Neves criou uma nova estrutura em seu partido, chamada "Rede Temática PSDB Jovem", para substituir a tradicional Juventude tucana, onde seu rival José Serra mantém forte influência política.

A manobra do senador mineiro, eleito presidente nacional da legenda em maio, é vista como estratégica para a condução da campanha eleitoral do ano que vem, quando ele pretende disputar o Palácio do Planalto. Com a nova estrutura, ele quer estreitar os laços com o eleitorado mais jovem, que ganhou destaque e influência após a série de manifestações de junho. O grupo ainda será central na atuação eleitoral nas redes sociais.

A atual ala jovem tucana, dominada por aliados de Serra, ex-governador paulista, não está oficialmente extinta, mas não tem presidente há dois meses.

Na versão oficial do partido, a eleição, que deveria ter ocorrido em maio, com a escolha da nova Executiva tucana, foi adiada para evitar um racha dos tucaninhos. Nos bastidores, porém, integrantes do PSDB dizem que Aécio atuou para impedir a vitória de alguém ligado a Serra.

O nome em questão é Wesley Goggi, capixaba, 32 anos, trazido a São Paulo em 2012 para coordenar ações na campanha de Serra à Prefeitura. Ele era favorito para assumir a Juventude do PSDB. O escolhido de Aécio, no entanto, era outro: Eduardo Leite, eleito o prefeito mais jovem do PSDB em 2012. Aos 28 anos, ficou conhecido nacionalmente depois das eleições como o prefeito "bonitão" de Pelotas.

Pouco antes da eleição, o deputado Rodrigo de Castro (MG), aliado de Aécio, foi designado para acompanhar as negociações para a escolha do presidente da Juventude tucana.

O gesto foi visto como uma tentativa de controlar o pleito.

Com o impasse, a Juventude do PSDB acabou sem presidente, até que na semana passada Aécio instituiu sua "Rede Jovem" - curiosamente, a estrutura traz o nome do partido que a ex-senadora Marina Silva quer fundar para disputar o Planalto.

O poder da nova estrutura partidária foi dividido entre os vários grupos de influência no partido, a fim de evitar novo racha.

Uma das tarefas da "Rede" tucana será reformular o estatuto e organizar um cadastro dos membros da Juventude. A ideia é botar ordem na casa, já que hoje PSDB não sabe ao certo quantos jovens militam no partido.

Também caberá a esse grupo preparar uma nova eleição para definir quem vai comandar a estrutura durante as eleições presidenciais de 2014. Segundo Caio Nárcio, que integra a nova coordenadoria, o pleito será realizado até início de setembro. Poderão votar 594 delegados.

Leite, o preferido de Aécio, desistiu de concorrer. Ele diz que não pode gastar energia apaziguando divergências internas do partido no momento em que precisa governar Pelotas, com mais de 325 mil habitantes.

Agora, o senador mineiro vai apoiar o o pernambucano Raffiê Dellon, cuja plataforma é ensinar "nordestinês" ao partido. Nessa região do País, o PSDB costuma ter os seus piores resultados eleitorais. Goggi, reconhecido pelos adversários como um "militante histórico", ainda não decidiu se vai concorrer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.