Aécio condiciona fim do fator previdenciário à volta de crescimento

Aécio condiciona fim do fator previdenciário à volta de crescimento

Após sinalizar a sindicalistas, em ato de campanha, que iria rever o mecanismo de cálculo da aposentadoria, candidato tucano diz que mudanças podem ser possíveis 'lá adiante'

Pedro Venceslau e Elizabeth Lopes , Agência Estado

23 de setembro de 2014 | 09h13

Atualizado às 21h58

São Paulo - Quatro dias depois de prometer diante de uma plateia de sindicalistas em São Paulo que acabará com o fator previdenciário se for eleito, o candidato do PSDB, Aécio Neves, recuou da proposta nesta terça-feira, 23, durante uma entrevista em clima tenso ao telejornal Bom Dia Brasil, da TV Globo. 

Durante o programa, que foi exibido ontem pela manhã, a jornalista Ana Paula Araújo falou sobre a promessa e lembrou que, no começo deste mês, o candidato disse em entrevista ao Jornal da Globo que seria “leviano” assumir qualquer compromisso a respeito sem estar na Presidência. Em seguida, perguntou: “O senhor estaria sendo leviano agora?”. Em sua resposta, Aécio negou que tenha feito tal promessa. “Essa afirmação que você leu não existe. Eu não disse que vou acabar com o fator previdenciário”. 

A declaração contradiz uma nota oficial da campanha divulgada depois do encontro com os sindicalistas, cujo o título era “Aécio vai acabar com o fator previdenciário”. Em um vídeo gravado pela equipe do candidato, que está disponível no YouTube, o tucano também disse que “acabará” com o fator “para impedir que ele continue a punir de forma tão violenta o salário dos aposentados brasileiros”.

Como os entrevistadores insistiram no tema, Aécio apresentou uma versão vaga sobre o compromisso assumido com as centrais sindicais. “Assumi o compromisso de discutirmos uma alternativa ao longo do tempo ao fator previdenciário. Acabar com o fator previdenciário sem colocar algo no lugar seria uma leviandade, jamais isso foi dito”, repetiu o tucano. 

Na tarde desta terça, a assessoria de imprensa do candidato divulgou nota oficial assinada por Aécio na qual ele afirma que vai substituir o fator “por outro modelo que penalize menos a renda dos aposentados brasileiros e, ao mesmo tempo, respeite a responsabilidade fiscal”. 

Depois do programa, o tucano voltou ao tema durante uma atividade de campanha em Niterói, no Rio de Janeiro. Ele disse que o sistema, criado pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso para desestimular aposentadorias precoces, será “substituído” e não encerrado, e aproveitou para negar que tenha caído em contradição. 

Programa. No Bom Dia Brasil, Aécio também foi cobrado por não ter apresentado seu programa de governo até agora. E, mais uma vez, não se comprometeu com um prazo. Disse apenas que “o programa sairá no tempo adequado”. O presidenciável do PSDB também evitou entrar em detalhes sobre a maneira como pretende “recolocar o País nos trilhos do crescimento”. / COLABORARAM LUCIANA NUNES LEAL, FERNANDA NUNES e LILIAN VENTURINI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.