Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Aécio começa a divulgar plano de governo com defesa de bicicletas

Coordenador de Meio Ambiente e Sustentabilidade do PSDB explica para internautas principais pontos do programa dos tucanos

Elizabeth Lopes, O Estado de S. Paulo

29 de setembro de 2014 | 22h34

O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, divulgou na noite desta segunda-feira seu programa de governo pelas redes sociais. Na sua página oficial do Facebook, o coordenador de Meio Ambiente e Sustentabilidade do plano de governo, Fábio Feldmann, responde perguntas de internautas sobre essa área. Em uma das respostas, o coordenador disse que a coligação do presidenciável tucano está muito preocupada com a ampliação do uso do automóvel nas grandes cidades brasileiras, que se transformarão em grandes estacionamentos. "Propomos uma ampliação do uso da bicicleta, bom transporte público sustentável: barato, eficiente e não poluidor", disse, além de defender o transporte por trilhos.

Ao falar sobre o desmatamento ilegal na Amazônia, o coordenador do programa de Aécio disse que a fiscalização será ampliada. "Além disso, queremos inovar em termos de combate à madeira ilegal, que hoje domina o mercado brasileiro. Ou seja, temos um compromisso claro de usar o que é disponível em termos tecnológicos, como o monitoramento por satélite e estamos pensando na utilização de drones", reiterou. Ainda sobre a questão do desmatamento, ele disse que é preciso reforçar as medidas de controle e fiscalização e criar novas alternativas de desenvolvimento para a Amazônia, baseada no uso sustentável da floresta. "Para tanto, vamos reorientar todas as políticas de ocupação territorial da Amazônia brasileira."

O desmatamento foi uma pergunta recorrente dos internautas que participam do Face to Face com Fábio Feldmann. A esse respeito, ele disse que o "desmatamento é uma tragédia anunciada". E citou: "No governo de Aécio Neves, vamos praticar a lei até nas vírgulas. Há meios legais para banir essa tragédia. Vigilância eletrônica por satélites, agilidade na responsabilização, em uma palavra, cumprimento da lei até o desmatamento zero."

Uma internauta questionou sobre a política urbana e ele respondeu que o programa de Aécio pretende fazer uma revolução no urbanismo brasileiro, de modo que as cidades passem a ter ciclovias, bom transporte público e que ofereçam uma boa qualidade de vida aos seus cidadãos. "Em relação ao resíduos, queremos estimular a reciclagem para estabelecer um outro padrão para as cidades brasileiras."

Indagado sobre qual vai ser a principal linha da matriz energética e como vai combater as emissões de poluentes, Feldmann disse que Aécio está propondo uma matriz energética com ampla participação de renováveis e eficiência energética. "Em relação ao poluentes, temos uma preocupação especial em garantir um diesel de qualidade nos grandes centros urbanos que atenda o padrão mais rigoroso do mundo e é bom lembrar os impactos da poluição na saúde dos brasileiros."

Feldmann falou também que o Brasil precisa de estar em plena sintonia com as inovações que estão na fronteira do conhecimento, como a biotecnologia e que este tema terá destaque no plano de governo do presidenciável tucano, "até porque um País que tem a maior Biodiversidade do mundo tem que ser uma potência também em biotecnologia."

Na primeira meia hora do Face to Face sobre Sustentabilidade, cerca de quatro mil pessoas tinham curtido o post, com mais de 500 compartilhamentos e cerca de mil perguntas. O presidenciável Aécio Neves acompanhou também a conversa, conforme uma foto postada em sua página, onde ele aparece ao lado de Feldmann e de mais dois colaboradores. Após a postagem da foto, muitos internautas manifestaram apoio ao tucano nessas eleições. A equipe de campanha do tucano informou que ele ´próprio e o professor Castor Cartelli e José Carlos Carvalho, que também colaboraram com esta parte do programa, estavam ajudando nas respostas.

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesAécio NevesPSDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.