Aécio afirma que não fez 'oposição ao Brasil'

Em entrevista, candidato comenta sobre sua atuação no Senado e disse que seu estilo de fazer política não envolve 'ataques pessoais'

José Roberto Castro, O Estado de S. Paulo

26 de setembro de 2014 | 11h35

 São Paulo - O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, negou nesta manhã, em entrevista à Rádio BandNews, que tenha faltado firmeza em sua atuação como parlamentar de oposição ao governo Dilma Rousseff. Segundo Aécio, seu estilo de fazer política não envolve ataques pessoais, o quer não quer dizer que não tenha sido contundente na oposição. "Diferente do PT, nós não fizemos oposição ao Brasil", provocou.

Ao falar sobre o atual cenário eleitoral, Aécio disse que não quer ser presidente para "colocar um retrato na parede" e negou que haja desânimo com o resultado das últimas pesquisas. "Vou caminhar até o último dia dizendo que temos o melhor projeto para o Brasil", afirmou.

O tucano disse ainda que a candidatura de Marina Silva é "improvisada" e que não vê na adversária condições de resolver os problemas do País. Sem fazer crítica direta a Marina, Aécio lembrou que ela só se tornou candidata após o acidente que matou Eduardo Campos. "A outra candidata, não vejo como e com quem vai enfrentar os desafios que teremos pela frente", afirmou Aécio.

No final da entrevista, o candidato voltou a alfinetar Marina lembrando que, apesar do discurso de que escolherá os melhores para governar, administrou o Ministério do Meio Ambiente ao lado de petistas. "As pessoas do nosso primeiro time não estão disponíveis", afirmou. 

Reforma política. Aécio afirmou ser o único candidato que tem propostas claras para uma reforma política. O tucano disse que suas adversárias se omitem em temas como a necessidade de redução de partidos políticos no Brasil e defendeu o retorno da cláusula de barreira, que limita o acesso das legendas sem representatividade a recursos e tempo de TV.

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesAecio NevesPSDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.