Advogado alega que não teve acesso à decisão judicial

O advogado Gustavo Badaró, que defende Paulo César Ribeiro, o Paulão, disse que ainda não foi intimado da decisão da Justiça Federal. "Não sei o teor (da decisão), não conheço, estou tentando obter cópia." Ele assinalou que foi intimado de um recurso de agravo da promotoria ao Tribunal de Justiça do Estado contra a decisão do fórum de Pindamonhangaba que deslocou os autos para competência federal. "Foi definida a competência da Justiça Federal."

O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2011 | 03h05

A prefeitura de Pindamonhangaba informou que o contrato da merenda foi aprovado pela Câmara Municipal. A assessoria do prefeito João Ribeiro afirma que foram "seguidos os trâmites legais". Destacou que, quando surgiram indícios de irregularidades, o prefeito determinou a suspensão do contrato, municipalizou o fornecimento da merenda e abriu sindicância que culminou na exoneração do então secretário de Finanças, Silvio Serrano. A assessoria ponderou que a administração está colaborando com as investigações da promotoria.

O advogado Silvio Salata, que defende o prefeito, disse que vai recorrer da ordem de bloqueio de bens ao Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3). Ele anotou que também "não tomou ciência" da sentença da juíza federal em Taubaté. "O processo tramita em segredo de Justiça", observou Salata. / F.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.